Registro fóssil

De CriaçãoWiki, a enciclopédia da ciência da criação.
Fóssil trilobita

O registro fóssil é uma "gravação" da história feita de camadas de fósseis. Assim como os anéis de crescimento de uma árvore ou as camadas encontradas em núcleos de gelo, a terra está coberta por camadas (estratos) de rocha sedimentar, que representam uma sequência de eventos. Mais especificamente, essas camadas registram os tempos relativos em que os organismos fossilizados foram enterrados pelos sedimentos. Em contraste com muitos registros da história humana, porém, as camadas do "registro fóssil" aparecem sem métodos de datação universalmente reconhecidos.

Os evolucionistas sustentam que esse registro representa uma história da vida na Terra ao longo de centenas de milhões de anos, e os fósseis são oferecidos como a principal evidência para apoiar a teoria de que os organismos evoluíram de formas simples para formas mais complexas. No entanto, a maioria dos criacionistas acredita que a grande maioria dos fósseis são, antes, os restos de plantas e animais que morreram durante o dilúvio global bíblico. Alguns criacionistas preferem usar uma expressão como "camadas de fósseis" para evitar a conotação de que ela oferece evidência para a macroevolução das formas de vida ao longo de milhões de anos.

Fósseis

Fósseis são remanescentes ou rastros de organismos do passado, que são tipicamente embutidos e preservados em rocha sedimentar. Há três tipos de fósseis: impressões, moldes e mineralizações.

  • Impressões são quando o organismo simplesmente deixou uma impressão sobre a rocha
  • Moldes são quando o organismo deixou uma cavidade na rocha que foi preenchida por outro material.
  • Mineralização é quando o material dos ossos ou outras partes do corpo foi substituído por minerais.

Camadas de rochas fossilíferas oferecem um registro da sequência de sua deposição. Esse "registro fóssil" é tipicamente diagramado em um corte lateral conhecido como coluna geológica.

Atualmente, a fossilização é um evento extremamente raro e simplesmente não se espera que ocorra em uma escala global. A decomposição é a regra após a morte, a menos que a matéria seja enterrada rapidamente e numa profundidade que impediria a digestão por micróbios e a oxidação. Animais de carapaça dura que cavam no sedimento são um tanto esperados de serem encontrados como fósseis, junto com ossos grandes e pesados através de circunstâncias aleatórias. Entretanto, todo tipo de animal vivente nos dias de hoje é encontrado no registro fóssil. Muitos deles estão completamente intactos, e alguns espécimes não mostram literalmente nenhum sinal de decomposição. Outras evidências, como fósseis poliestrata, ou o fato de que fósseis marinhos são encontrados ao longo da coluna geológica, apontam fortemente para uma interpretação do registro fóssil baseada no dilúvio. Deve-se notar também que muitos dos animais vivos hoje em dia são virtualmente idênticos aos seus ancestrais fossilizados, o que argumenta fortemente contra a noção de terem sido fossilizados há milhões de anos.

Coluna Geológica

Eras geológicas conforme interpretadas pelo registro fóssil.

A coluna geológica é um sistema de classificação teórico para as rochas e fósseis que compõem a crosta terrestre. Ele foi concebido com base na intrepetação de que as camadas de rocha sedimentar se formaram ao longo de milhões e mesmo bilhões de anos, com taxas geológicas uniformes.

Quase todos os fósseis na terra são encontrados enterrados em camadas de rocha sedimentar denominadas estratos. Essas camadas são caracterizadas como horizontalmente indefinidas ou lateralmente contínuas. Elas podem frequentemente ser traçadas ao longo de continentes inteiros, e correlacionadas com camadas em outros países. Muitas dessas camadas de rochas receberam nomes, e são frequentemente diagramadas em uma seção lateral conhecida como coluna geológica.

Ela é normalmente representada como uma sequência de camadas de fósseis conhecida como estratos, com os fósseis mais simples na base e os mais complexos no topo. Ela é dividida em diversos períodos geológicos, com base nos fósseis encontrados nela. A coluna geológica foi montada ao comparar-se fósseis de várias localidades, entretanto, é extremamente raro que todas essas camadas sejam encontradas numa só localidade. Na realidade, a coluna geológica nada mais é do que uma abstração mental.

Classificação fóssil

A classificação fóssil é uma característica observável do registro fóssil na qual organismos presentes durante o período antediluviano são comumente encontrados apenas dentro de um alcance limitado de estratos (camadas de rocha), e frequentemente acima ou abaixo de outros fósseis específicos. Os criacionistas da Terra jovem afirmam que as rochas fossilíferas são quase inteiramente o resultado do dilúvio bíblico descrito em Gênesis 6-9 , e a classificação é explicada pelos geólogos do dilúvio como o resultado de vários fatores presentes durante o dilúvio, incluindo zoneamento ecológico, classificação hidrológica e liquefação, escape diferencial, zoneamento biogeográfico, e atividade tectônica.

Em contraste, os geólogos uniformitaristas afirmam que o registro fóssil se formou ao longo de centenas de milhões de anos (eras geológicas) e é um registro da história evolutiva da vida na Terra, com organismos primitivos sendo enterrados em primeiro lugar e, desse modo, mais profundos nas camadas de rocha. Durante o século 19, a classificação fóssil e a interpretação uniformitarista tornaram-se um ponto de partida para muitos criacionistas que consideraram o dilúvio global bíblico incapaz de explicar essa observação. Hoje qualquer criacionista da Terra antiga aceita o registro fóssil como prova de evolução ao longo de milhões de anos.

Interpretação Filosófica

Jonathan Sarfati resume a diferença entre os pontos de vista da evolução e da criação.

Criacionistas e evolucionistas interpretam as camadas geológicas de forma diferente por causa de nossos diferentes axiomas. Evolucionistas interpretam a sequência de camadas como uma sequência de eras com diferentes tipos de criaturas; os criacionistas as interpretam como uma sequência de soterramento por um dilúvio global e seus efeitos posteriores. Isso faz mais sentido para fenômenos como ‘fósseis vivos’ e o achado de criaturas como o celacanto, que não é encontrado em rochas ‘datadas’ em menos de 70 milhões de anos.[1]

Uniformitarismo

Charles Lyell (1797-1875)

O uniformitarismo é um princípio orientador da ciência das origens, que diz que os mesmos processos que operam no universo agora, sempre operaram no universo no passado, e nas mesmas taxas; e que as mesmas leis da física se aplicam em qualquer lugar do universo. Um uniformitarista é alguém que crê nos princípios, ou em quaisquer aspectos e/ou assunções da filosofia do uniformitarismo.

O uniformitarismo é um elemento importante da Geologia moderna, tal como praticada pelos evolucionistas, e abraça a ideia de tempo profundo e uma terra antiga. Menos bem estimada é a sua importância como elemento na astronomia, a qual também assume o tempo profundo e até mesmo um tempo infinitamente profundo para o universo inteiro. O uniformitarismo é baseado na filosofia do naturalismo, e foi promovido no livro de James Hutton, "Theory of the Earth" (Teoria da Terra), e posteriormente expandido por Charles Lyell em sua série de três volumes, "Princípios de Geologia", publicada pela primeira vez em 1830-1833. Charles Darwin levou os livros de Lyell a bordo do navio HMS Beagle. Durante a viagem, as obras de Lyell informaram o pensamento de Darwin a respeito da mudança biológica lenta conhecida como gradualismo.

Catastrofismo

Catastrofismo é a assunção de que sistemas inteiros de estratos, e mesmo grupos de sistemas, foram acumulados em um cataclismo hidráulico que se encaixa na descrição de eventos catastróficos súbitos. A interpretação secular da história da terra assume que houve repetidas inundações e outras catástrofes que causaram a extinção de muitos animais, mas que elas não foram de intensidade suficiente para destruir toda a vida terrestre. Entretanto, a Bíblia diz que houve um dilúvio em que nenhum animal terrestre ou ser humano poderia ter sobrevivido sem intervenção divina. E, de fato, não seria possível sobreviver a um evento que, sozinho, fosse capaz de depositar a coluna geológica inteira. É certamente fato que cataclismos ocorreram no passado da terra, e vastas camadas de sedimentos atestam sobre esses desastres. Quando se examina a evidência mais de perto, pode-se ver que o registro fóssil tem sido simplesmente mal interpretado pela comunidade científica ateísta, e é na verdade um registro de um dilúvio global devastador.

Creationwiki pool logo.png
A Mídiateca da CriaçãoWiki tem mídia relacionada a
Fósseis

Referências

  1. Sarfati, Jonathan. Refuting Evolution 2 Chapter 8 - Argument: The fossil record supports evolution. Greenforest AR: Master Books, 2002. (p148)

Ligações Externas