Modelos do dilúvio

De CriaçãoWiki, a enciclopédia da ciência da criação.
Geyser island.jpg
Rain.jpg

Modelos do dilúvio foram desenvolvidos com base em explicações teóricas dos mecanismos que foram efetivos em produzir o dilúvio de Noé. A maioria das teorias sugerem uma possível fonte das águas do dilúvio, que cobriram a Terra, ou os processos geológicos por trás da sua recessão subsequente.

Base teórica

Artigo principal: Fontes do grande abismo

De acordo com a Bíblia, o dilúvio de Noé foi causado por uma ruptura de fontes subterrâneas (águas subterrâneas), posteriormente acompanhada por quarenta dias de chuva. Presume-se grandemente que a água subterrânea era o principal provimento das águas do dilúvio, que cobriram a terra.

"No ano seiscentos da vida de Noé, no mês segundo, aos dezessete dias do mês, naquele mesmo dia, se romperam todas as fontes do grande abismo, e as janelas dos céus se abriram, e houve chuva sobre a terra quarenta dias e quarenta noites." - Gênesis 7:11-12

Mapa de localização mostrando os limites das Altas Planícies (Aquífero de Ogallala)

Acredita-se que as "fontes do grande abismo" mencionadas na passagem acima são água subterrânea pré-diluviana semelhante às que existem ainda hoje de maneira remanescente. Desconhecido de muitos, muito da terra sob nossos pés reside sobre corpos massivos de água, como o aquífero de Ogallala. O Aquífero de Ogallala reside sob vários estados nos Estados Unidos, e fornece águas mananciais contínuas, como os famosos Poços Artesianos (e outros Gêiseres). Apesar de esses aquíferos serem grandemente esgotados, hoje 40% da água potável nos Estados Unidos vem dessas antigas águas do solo. Another massive body of water under the Asian continent is thought to be larger than the Arctic Ocean[1]. Other studies reveal that there may actually be far more subterranean water than all of the world's oceans combined[2]. The flood possibly began when the earth's crust was fractured releasing subterranean caverns of water and magma. The earth now exists as a mass of plates, which may not have existed until the crust was intentionally broken by God releasing the subterranean water.

Teoria do dossel

Artigo principal: Teoria do dossel
Rainbow in dark sky.jpg

The canopy theory proposes that the floodgates of the heavens from the passage below was the primary source of the flood waters. The waters are believed to have been held in the form of a canopy of vapor or solid state matter high in the upper atmosphere. The canopy was formed during the the creation week and was destroyed at the time of the flood. The 40 days of rain were the result of condensation of the water vapor into liquid rain water. The amount of water vapor was to supply enough water to cover the mountains by 15 cubits of water.

Predefinição:Bible quote

It is believed that this canopy provided the protection before the flood enabling the long lifespans before the flood. Others factors, such as the post-flood rainbow are pointed to that suggest significant change in our atmosphere took place as a result of this catastrophe.

This theory has fallen into disfavor for an assortment of reasons that are explained in the main article of canopy theory. Not the least of these is the latent heat of condensation and the need to dissipate the heat to space in a short time.

Teoria das hidroplacas

Artigo principal: Teoria das hidroplacas

A teoria das hidroplacas postula que todas as massas de terra foram posicionadas sobre vastos aquíferos no princípio da criação. Acredita-se que esses corpos massivos de água foram acionados para "irromper" e inundar a terra. Esta teoria ganhou muita credibilidade na comunidade criacionista devido aos esforços de Walt Brown e seu livro, intitulado In the Beginning.

Em uma série de câmaras subterrâneas interconectadas abaixo da crosta da terra, existia uma camada de água altamente pressurizada. No tempo do dilúvio, essas águas se romperam através da crosta como gêiseres quentes e de alta pressão bem acima da atmosfera. The crust of the earth split apart forming the continental arrangement we have now. The Atlantic Ocean floor rose and on the opposite side of the earth the crust sank forming the Pacific Ocean. The area just over the Marianas Trench is a gravity anomaly of missing mass[3] more so than expected if the trench were filled. Where the continent shelves on each side of the Atlantic do not line up for a "fit", both continental shelves line up to the Mid-Atlantic Ridge, where Brown purports that the initial crustal upheaval split the crust in a North/South direction.

While it is a fairly popular theory, it does not find much support among creationary geologists.

Tectônica de placas catastrófica

Artigo principal: Tectônica de placas catastrófica

A Tectônica de Placas Catastrófica (TPC) compartilha algumas ideias da tectônica de placas, mas em uma escala muito mais rápida. Durante o dilúvio, a viscosidade do manto foi reduzida em várias magnitudes, fazendo com que as placas oceânicas pré-diluvianas afundassem no manto profundo. Isso levantou correntes no manto que separaram as massas continentais anteriores, espalhando-as ao longo da superfície da terra. As massas da placa oceânica anterior parariam de afundar ao chegar no fundo do manto. A viscosidade do manto se reverteria ao normal, as correntes do manto parariam de se mover no ritmo anterior e os continentes parariam de se mover também na velocidade anterior.

Essa atividade violenta causaria inundações massivas por tsunamis. Steam jets from high temperature exposed mantle would rise above the atmosphere. Condensed water vapor would rain on the planet. The newly exposed oceanic floors would be at higher elevations, flooding the continents.

This is a popular theory among creationary scientists and geologists, but it has its critics and problem. The removal of heat created by the process, as with all flood models, remains a problem.

Notas

  1. http://www.livescience.com/1312-huge-ocean-discovered-earth.html
  2. http://www.telegraph.co.uk/earth/earthnews/6057382/Vast-oceans-lay-beneath-surface-of-the-Earth.html
  3. http://seismo.berkeley.edu/~rallen/eps122/lectures/L17.pdf