Apologética cristã

De CriaçãoWiki, a enciclopédia da ciência da criação.
Crusader.jpg

A apologética cristã responde à questão: "O Cristianismo é crível?". Nos últimos quatro séculos, muitas crenças religiosas e espirituais estiveram sob ataque intenso dos filósofos e críticos radicais. A fé Cristã recebeu uma parte maior dos ataques devido a uma série de razões históricas explicadas mais adiante.

As críticas contra a fé cristã receberam tanta cobertura da mídia que, mesmo não-cristãos bem informados estão cientes das principais acusações contra a fé cristã. Curiosamente, livros publicados contra a fé cristã e vendidos em lojas seculares tornaram-se bestsellers mesmo em países onde os compradores não são cristãos. Tal é o resultado de toda essa publicidade negativa.

Impacto do Humanismo Secular e Viés Acadêmico

Hoje uma atmosfera generalizada de criticismo do ensinamento bíblico permeia os campi universitários. O estudante cristão enfrenta críticas de outros estudantes em várias formas. Comumente, mesmo o estudante universitário cristão é desafiado por questões contra a fé cristã. Perguntas podem ocorrer com tão elevada frequência que o estudante cristão se encontra perdido para responder. Muitas vezes o estudante cristão não encontrou previamente essas questões e não sabe o que pensar ou como responder. O estudante cristão pode cair na armadilha de pensar que, se ele não sabe a resposta, então não existem respostas corretas ou satisfatórias.

Assim que uma pessoa erroneamente conclui que as respostas não existem para as questões levantadas contra a Bíblia, sua própria fé na inspiração, autoridade e infalibilidade das Escrituras sofre. Ele então encontra-se em uma mentalidade de divisão: ele sabe que são essas Escrituras que trouxeram a mensagem da verdadeira salvação para ele, mas ao mesmo tempo ele questiona que todas as coisas escritas na Bíblia sejam verdadeiras! A apologética oferece respostas às questões que desafiam as bases do Cristianismo. Um estudo da apologética cristã pode ajudar o cristão que está questionando a encontrar respostas para problemas e questões com os quais ele se confronta. O cristão que é conhecedor da apologética cristã pode compartilhar informações com pessoas em dúvida e com aqueles que levantam questões contra a Bíblia.

Filosofias e padrões de pensamento anticristãos floresceram nos últimos quatro a cinco séculos. O humanismo secular, uma filosofia na qual o homem foi elevado à posição de Deus, é uma filosofia dominante atualmente. O humanismo secular é o alicerce da maior parte do pensamento e educação atuais. Portanto, os estudantes que frequentaram escolas ou faculdades atuais aprendem muitas coisas contrárias à Palavra de Deus. No momento em que uma pessoa deixa a faculdade, ela acumula centenas de ideias anti-cristãs, resultando em desconfiança e dúvida.

Embora nem todas as dúvidas possam ser resolvidas, a Apologética Cristã fornece respostas a um número suficiente de questões e problemas para apoiar a fé. A apologética cristã pode também explicar os fundamentos anti-cristãos do humanismo secular que ajudarão os inquiridores a superar dúvidas e ver as raízes dos problemas. Inquiridores então serão capazes de lidar efetivamente com muitas questões que possam surgir.

Todo mundo enfrenta uma variedade de enigmas, perguntas e medos. Situações difíceis não vão embora simplesmente por ignorá-las ou ao fingir que elas não existem. Enfrentar um problema é difícil, e muitas vezes as pessoas evitam problemas. Evitar problemas relacionados à Bíblia pode muitas vezes ser visto. Os ataques contra as Escrituras vêm de diversas áreas e de pessoas de alto conhecimento, tornando sua resposta difícil. Ninguém pode ter a esperança de dominar todas as disciplinas de estudo a partir das quais questões são levantadas. Essa dificuldade induz muitas pessoas a evitar enfrentar as questões, mas não há necessidade alguma de se evitar isso. A aquisição de ferramentas básicas da apologética cristã será suficiente para responder a maioria dos ataques contra a Bíblia e contra os fundamentos da fé cristã.

Nenhuma pessoa pode ter a esperança de responder a todas as perguntas, mas todo cristão deve definitivamente saber algo sobre o que os homens piedosos estão fazendo no campo da apologética cristã. Hoje, a sociedade cristã tem muitos homens altamente qualificados e dedicados de todas as disciplinas de estudo os quais estão pesquisando as Escrituras para responder a cada pergunta que foi arremessada contra a Bíblia. Naturalmente, as pessoas ficam com medo de ataques anti-cristãos, mas podem ter a confiança de que a busca da apologética cristã respondeu e continuará a buscar respostas para as questões. Na verdade, os estudiosos de hoje de todo o mundo estão publicando conclusões em defesa da fé cristã através de centenas de periódicos profissionais e revistas populares. A informação é acessível a qualquer pessoa.

A Bíblia sempre será atacada, e sempre haverá pessoas cuja fé será desafiada. O uso adequado da apologética cristã irá ajudar.

Defesa da Ressureição de Jesus

A ressureição de Jesus Cristo é fundamental para a fé cristã. O Apóstolo Paulo escreveu: "E, se Cristo não ressuscitou, logo é vã a nossa pregação, e também é vã a vossa fé" (1 Coríntios 15:14). Tradicionalmente, o cristianismo tem crido em uma ressurreição física de Jesus Cristo. [1]

Na história recente, Gary Habermas é considerado o apologista cristão mais importante na defesa da ressurreição de Jesus (Ver: Método dos fatos mínimos). [2][3][4][5][6][7] Dr. Habermas teve um debate contra o filósofo Anthony Flew sobre a ressurreição, que foi registrado no trabalho Did Jesus Rise from the Dead? The Resurrection Debate (Jesus Ressuscitou Dentre os Mortos? O Debate Sobre a Ressurreição) e o debate teve um painel de juízes do debate. J. Hampton Keathley, III , Th.M. em seu ensaio Evidences for the Resurrection (Evidências Para a Ressurreição) escreveu: "A decisão dos juízes foi a seguinte. O painel de filósofos julgando o conteúdo somou quatro votos para Habermas que argumentou para o fato da ressurreição, nenhum para Flew, e um empate. O painel de juízes de debate profissionais votou 3-2, também em favor de Habermas, desta vez sobre o método da técnica de argumentação." [8]

Na história recente alguns notáveis defensores da ressurreição incluem: William Lane Craig, Lee Strobel, Josh McDowell, Edwin M. Yamauchi, N.T. Wright e Michael Horner. [9][10][11][12][13]

Estudiosos jurídicos, como Simon Greenleaf, John Warwick Montgomery e muitos outros afirmaram que os padrões legais ocidentais defendem a ressurreição de Cristo.[14][15][16][17] Defensores da ressurreição de Cristo também citam muitas autoridades legais notáveis sobre a historicidade da ressurreição de Cristo. [18]

Polêmica Cristã

Um importante companheiro da apologética é a polêmica. Enquanto a apologética é uma defesa da fé cristã em resposta a ataques originados de pessoas de fora da fé cristã, a polêmica lida com ataques originados de dentro da Igreja. Muitos leitores podem se surpreender com o fato de os ataques surgirem "dentro" da Igreja. No entanto, sempre existiram pessoas dentro da fé judaica e cristã que atacaram o Antigo e o Novo Testamento.

Ataques polêmicos surgem de duas formas. Primeiro, na forma de interpretação bíblica distorcida, e segundo, através de seitas falsas que alegam ser cristãs. Ataques polêmicos à Bíblia perverteram doutrinas. Exemplos no Novo Testamento incluem os ebionitas, pelagianos, montanistas, nestorianos, arianos e muitos outros de dentro Igreja. Exemplos do início do século XXI incluem radicais, ecumenistas e cristãos da Nova Era. Também está incluído o ensino da salvação através do batismo, ataques à pessoa de Cristo (Smithismo/Poonenismo) e doutrinas cristãs hinduizadas (defensores de Prajapati, vedantistas cristãos), etc.

Alguns dos principais grupos religiosos que alegam ser Cristãos mas que atacam fundamentos da fé cristã incluem: Testemunhas de Jeová, Adventistas do Sétimo Dia, Mórmons, e Católicos Romanos. O número de pequenos grupos religiosos novos está crescendo constantemente, e o fermento dos ensinamentos errôneos de muitos deles também está se espalhando.

Embora a apologética e a polêmica sejam duas atividades diferentes, sua essência é a mesma: refutar o erro e estabelecer a verdade. Até algumas décadas atrás, a polêmica e a apologética cristã podiam ser separadas. Talvez no passado o estudo seja da apologética ou da polêmica fosse adequado. Mas não mais! Ataques contra a fé cristã agora emprestam insights tanto da apologética como da polêmica, tornando necessário o conhecimento de ambos.

Uma Base Bíblica para a Apologética Cristã

Quase todo o livro de Jó é uma apologética para justificar os procedimentos de Deus com o homem. Em face da oposição de seus amigos e familiares, Jó tenta justificar as razões de sua lealdade e confiança no Senhor. Ele deixa muito claro que o Senhor de Israel não era como os deuses dos pagãos ao redor deles; em vez disso, Ele é um Deus fiel que nunca falharia com aqueles que confiam nEle.

Os Salmos 14 e 19 também são de caráter apologético. O Evangelho segundo João, segundo o próprio autor, é uma apologética para levar as pessoas à fé salvadora em Cristo. Romanos 1:20 confirma isso quando diz que as maravilhas da natureza são suficientes para indicar a existência de um Deus inteligente e todo poderoso. A mensagem que o Espírito Santo transmitiu por meio de Paulo em Atos 17 é outro exemplo em que uma abordagem apologética é usada para pregar o evangelho aos incrédulos céticos.

Embora a Bíblia enfatize a fé e a crença, e embora condene o ceticismo deliberado e a incredulidade, ela não fala contra a razão e a investigação. A Bíblia encoraja o uso da razão e da investigação quando elas são feitas com sinceridade e como uma ajuda para uma investigação honesta. Tanto o Velho quanto o Novo Testamento fornecem ampla evidência disso. Além disso, o próprio Deus dá provas em numerosos lugares para levar as pessoas à fé.

Quando Deus ordenou que Moisés fosse a Faraó, Ele deu dois sinais a Moisés para que ele pudesse estabelecer que era Deus quem o havia enviado. Se o faraó acreditou ou não é um assunto diferente, mas não devemos ignorar o fato de que Deus providenciou uma demonstração quando o faraó pediu. Vemos a mesma coisa no caso de Gideão, que pediu por duas vezes sinais e recebeu o pedido em ambas as vezes. Vemos o mesmo no caso de Ezequias, a quem foi dada uma escolha de sinais para confirmar que o Senhor havia falado.

Quando Daniel e seus amigos falaram com o homem que estava encarregado deles, ele sugeriu que esse mordomo deveria "provar" (investigar e concluir) por dez dias. Mais uma vez, esta é a abordagem experimental, em que uma decisão é tomada com base na investigação.

Jesus e seus biógrafos enfatizaram repetidamente que o principal objetivo dos milagres realizados por Jesus era demonstrar quem Ele era e não apenas trazer saúde para o mundo. Em muitos outros lugares, as Escrituras enfatizam que os milagres na igreja do Novo Testamento foram destinados a ATESTAR que Deus estava por trás de todas essas coisas. Embora Jesus tenha repreendido "o duvidoso Tomé" por seu ceticismo, Ele não se recusou a dar provas. Em vez disso, Ele convidou Tomé e até mesmo outros discípulos para examiná-lo fisicamente e concluir que Ele ressuscitou.

Assim, a Bíblia fornece amplos exemplos para indicar a necessidade e o importante papel desempenhado pela apologética para os cristãos, bem como para os não cristãos ouvintes da mensagem de Deus. Embora a Bíblia condene a incredulidade, ela encoraja a investigação sincera.

Apologistas criacionistas

Abaixo está uma lista de organizações criacionistas e apologistas:

Apologistas notáveis

Modernos

Antigos

Referências

Tópicos da Apologética

Ligações externas

Apologética histórica:

  • The Historical Jesus: Ancient Evidence for the Life of Christ Gary Habermas, College Press: Joplin, MI, 1996
  • The Case for the Resurrection of Jesus, Gary Habermas, Gary Licona, Kregel, Grand Rapids, Michigan, 1994. ISBN 0825427886
  • The Case for Christ: A Journalist's Personal Investigation of the Evidence for Jesus. Lee Strobel, Zondervan, Grand Rapids, Michigan, 1998. ISBN 0310209307
  • New Evidence that Demands a Verdict, Josh McDowell, Thomas Nelson, Inc, Publishers, 1999. ISBN 0785242198