Antigo Testamento

De CriaçãoWiki, a enciclopédia da ciência da criação.
Manuscrito do século 11 da Bíblia hebraica com Targum.

O Antigo testamento ou Velho Testamento, também chamado a Bíblia Hebraica ou Tanakh[nota 1], consiste de trinta e nove livros.[nota 2] Os livros, eles próprios, foram escritos originalmente em hebraico, e mais tarde no aramaico, linguagem da Palestina. A Bíblia relata a Criação do universo, incluindo as estrelas, planetas, plantas, animais e o homem por Deus Genesis 1-2 . Ele descreve ainda o maior evento da Queda do homem com todas as suas consequências ainda observáveis​​, como a morte e o sofrimento. Mas já em Genesis 3:15-16 e em todo o Antigo Testamento um ato salvífico de Deus, o envio do Redentor, está profetizado.

O Antigo Testamento na língua Grega foi escrito depois da conquista de Alexandre, o Grande em torno de 130 aC e é conhecido como a Septuaginta. Isto implica uma data ainda mais antiga de um cânone estabelecido para o Antigo Testamento geralmente aceita caindo dentro do século quinto ao terceiro século aC (400 a 200 aC).[1]

Confiabilidade Textual

Os mais antigos livros da Bíblia são certamente os cinco livros da Torá e o livro de .Em IReis 6:1 , afirma Salomão ter começado a construção do Templo no ano 480 depois de os filhos de Israel, subirem da terra do Egito. Tem sido estabelecido pelos eruditos e historiadores que Salomão havia começado a construção do Templo no quarto ano do seu reinado; isto é diversamente pensado de ter ocorrido em 961 aC, ou 1015 aC, fazendo a data do Êxodo sob Moisés ter ocorrido em 1446 aC ou 1491 aC. Durante os quarenta anos seguintes Moisés escreveu a Torá e o livro de , completando-os antes de sua morte no Monte Nebo cerca de 1406 aC ou 1451 aC. De acordo com o estudioso da Bíblia e historiador Robert D. Wilson a Torá, tal como está data da época de Moisés, os cinco livros constituem um trabalho contínuo, e foram escritos por um único indivíduo, o próprio Moisés.[2]

Os livros restantes do Antigo Testamento foram escritos em diferentes épocas, desde a morte de Moisés, com Malaquias, o último livro do Antigo Testamento, sendo escrito cerca de 455 aC. Durante este período cada um dos livros foi escrito e re-escrito em pergaminho ou papiro, com os editores que tomando grande cuidado no seu trabalho; um único livro bíblico escrito à mão hoje pode levar semanas para ser concluído. Os pergaminhos mais velhos eram eliminadas se enterrando ou através de destruição sistemática quando gastos a partir de uso normal; como resultado, os exemplares mais antigos sobreviventes dos manuscritos bíblicos são aqueles que foram cuidadosamente conservados, quer por acção directa de pessoas (tais como mosteiros), ou por remoção das forças de decomposição. Atualmente, os mais antigos manuscritos sobreviventes são aqueles encontrados dentro das cavernas de Qumran em 1948 e conhecidos como os Manuscritos do Mar Morto, datando entre 250 aC to aD 70; o rolo completo de Isaías desta coleção data de 150 aC

O Texto Massorético

O texto Massorético foi concluído no século 10 ou 11. É universalmente reconhecido como a versão autorizada e oficial do Tanakh e é utilizado para a tradução para o Antigo Testamento em muitas Bíblias protestantes.

A Septuaginta

Cerca de 200 aC, a Septuaginta, uma versão em língua grega do Antigo Testamento, foi concluída. Isto deveu-se a helenização de grandes áreas do Oriente Médio depois da conquista de Alexandre, o Grande, fazendo com que a língua grega se tornasse a língua de facto para comunicações diárias e de negócios. A Septuaginta marca a primeira vez na história em que o Antigo Testamento foi traduzido para uma linguagem diferente da que foi usada para compor os manuscritos originais.

A Septuaginta (Latim: Interpretatio Septuaginta Virorum; Grego: Ἡ Μετάφρασις τῶν Ἑβδομήκοντα, Hē Metáphrasis tōn Hebdomēkonta; "Interpretação de acordo com os setenta", abrev. LXX ou 𝔊) é a primeira tradução do Antigo Testamento da Bíblia para o Grego clássico que era falado logo após a morte de Alexandre, o Grande.

A Septuaginta contém algumas características diferentes quando comparadas com o Texto Massorético por três razões. Em primeiro lugar, sendo concluída por volta de 130 aC, após vários estágios de desenvolvimento, significaria que foi traduzida de cópias do hebraico até mais antigas. Assim (2) a motivação por escribas judeus e líderes de mudar a linguagem profética a respeito de Cristo no Antigo Testamento não estava presente porque Cristo não era conhecido especificamente. E (3) os autores do Novo Testamento citaram a partir da Septuaginta por mais da metade de suas citações do AT utilizadas no NT.[3][4]

Os Manuscritos do Mar Morto

O manuscrito do comentário de Oséias

Os Manuscritos do Mar Morto são talvez os achados mais importantes do século XX. Eles confirmam a confiabilidade do Antigo Testamento e suas profecias como não viciadas por líderes da igreja posteriores. Além disso, eles permitiram que o homem moderno pudesse ter um olhar sobre a era em que Jesus nasceu, e para a sociedade que existia nos primórdios do cristianismo.

Eles foram descobertos na parte superior do Mar Morto na região de Qumran, 13 quilômetros a leste de Jerusalém. Em 1947, três pastores beduínos locais descobriram em sete frascos em uma caverna, enquanto jogavam pedras para se divertir. Nesses frascos eles descobriram os primeiros pergaminhos. Eles venderam a um negociante de antiguidades, que por sua vez, vendeu três para Eleazar L. Sukenik, da Universidade Hebraica e quatro para o arcebispo sírio-ortodoxo de Jerusalém. O arcebispo, Arthanasius Yeshue Samuel, levou seus pergaminhos para a Escola Americana de Pesquisa Oriental, tornando-os conhecidos ao mundo ocidental. Outros pergaminhos foram encontrados após exame mais cuidadoso perto das cavernas da região de Qumran entre 1947-1956. A importância dos pergaminhos logo se tornou aparente, pois eles foram reconhecidos como os mais antigos manuscritos de tais textos judaicos, o Pergaminho Grande de Isaías, que contém toda o livro de Isaías, é pelo menos 1.000 anos mais velho do que qualquer outra transcrição conhecida.

A sua idade era especialmente significativa porque eles são quase idênticos aos transcritos posteriores. Uma vez confirmado, através da datação pelo carbono-14, em adição à datação paleográfica e por escribas, este fato silenciou uma série de críticas que visavam desacreditar os textos bíblicos como adaptados ou ajustados de acordo com a teologia cristã. Antes da descoberta dos Manuscritos do Mar Morto, todas as cópias conhecidas de textos bíblicos foram escritas muito depois do tempo de Cristo. Além de alguns erros dos copistas, no entanto, os textos dos Manuscritos do Mar Morto são idênticos às transcrições correspondentes posteriores.

Características

Descrição objetiva dos personagens

Um elemento interessante da apresentação de figuras centrais do Antigo Testamento é que não existem heróis. A apresentação é de pessoas reais lutando com problemas reais da vida. Tentando viver fielmente pela vontade de Deus, mas lutando com a carne para a superar pelo Espírito Santo. Por exemplo os cinco seguintes são exemplos proeminentes de características das pessoas reais da literatura do Antigo Testamento.

Os cinco homens são;

  • Noé era tanto "justo em sua geração" quanto um bêbado desleixado;
  • Abraão, foi elogiado tanto por Deus como "um homem de fé" e um covarde que mentir por medo;
  • Moisés foi escolhido para liderar seu povo do Egito, mas também era humilde, tímido, e tinha um temperamento ruim que finalmente o manteve fora da terra prometida;
  • David era um "homem segundo o coração de Deus", mas também um adúltero e um assassino;
  • Salomão foi o homem mais sábio de sua época, mas casado com mulheres pagãs e permitiu-lhes criar templos que se opunham a Deus.

O estilo objetivo em que estes homens são descritos é inconsistente com o herói dos mitos. Os heróis dos mitos são personagens construídos como sendo seres tão perfeitos que se tornam sem interesse e inacreditáveis para a mente moderna. A Bíblia, por outro lado, descreve seus personagens com riqueza de detalhes como, bons e maus, de modo que os personagens se mostram como históricos e, portanto, reais.

Livros do Antigo Testamento

Melito, um bispo de Sardes na Lydia (no que agora é a Turquia), é dito ter cunhado a frase Antigo Testamento ou Velho testamento cerca de 170 dC.[5] O Velho Testamento é dividido em três partes (por isso, "Tanakh") dentro da comunidade judaica: a Torá ("Lei"), ou Pentateuco, conhecidos como os cinco livros de Moisés; Neviim ("Profetas"), e Ketubím ("Escritos,” ou Hagiógrafos). Aqui, o arranjo dos livros difere um pouco do Velho Testamento como usado pelos cristãos, porém a escrita em si de cada livro permanece a mesma.

Torá

Os cinco livros de Moisés, nos seus nomes em hebraico e em Português:

  • Bereshit (בראשית, "No princípio...")—Gênesis
  • Shemot (שמות, "Os nomes")—Êxodo
  • Vayyiqra (ויקרא, "E chamou...")—Levítico
  • Bammidbar (במדבר, "No deserto (ermo)...")—Números
  • Devarim (דברים, "Palavras", ou "Discursos")—Deuteronômio

Os primeiros onze capítulos do Gênesis fornecem o relato da criação, a história da relação precoce de Deus com a humanidade, e o dilúvio de Noé. Os restantes 39 capítulos detalham o relato da aliança de Deus com a nascente nação Hebraica, liderada pelos patriarcas Abraão, Isaque e Jacó (ou Israel), e um dos filhos de Jacó, José. Ele conta os primórdios do povo escolhido de Deus, de como Deus ordenou a Abraão que deixasse sua casa e sua família e fosse se estabelecer na terra de Canaã, e como os Filhos de Israel depois se mudaram para o Egito. O restante da Torá, começando com o Êxodo, conta a história do grande líder hebreu Moisés, e dos hebreus através da sua estada e escravidão no Egito, sua fuga do cativeiro, e suas andanças no deserto, até que finalmente entraram na Terra Prometida.

Neviim

O Neviim é a história da ascensão em direção e, finalmente, a chegada, da monarquia hebraica; o triste período de anarquia e revolta levando à divisão em dois reinos de Judá e Israel, e os profetas que julgaram os reis de ambos os reinos em nome de Deus. Ele termina com a conquista de ambos os reinos e da destruição do Templo em Jerusalém. Os Profetas Menores são considerados um único livro no Neviim; no cristianismo estes foram divididos em 12 livros separados e nomeados pelos seus autores.

Ketuvim

O Ketuvim, ou "Escritos," contém poesia lírica, reflexões filosóficas sobre a vida e os escritos dos profetas e outros líderes judeus durante o exílio na Babilônia.


Primeiro grupo: Os Três Livros Poéticos (Sifrei Emet)

Segundo grupo: Os cinco rolos (Hamesh Megillot)

Terceiro grupo: Outros livros históricos

  • Daniel - (דניאל, Daniel)
  • Esdras (Dividido em dois livros na Bíblia cristã: Esdras e Neemias) - (עזרא, Ezra)
  • Crônicas - (דברי הימים, Divrei ha-Yamim)

Davi é apontado como o autor de muitos dos Salmos; Salomão Acredita-se que tenha escrito o Cântico dos Cânticos em sua juventude, os Provérbios em seu auge, e Eclesiastes durante sua velhice. Se pensa que o profeta Jeremias tenha escrito o livro apropriadamente chamado de Lamentações no início do exílio na Babilônia. O Livro de Rute é o único livro bíblico que centra inteiramente em uma não-judia, uma moabita que se casou com um judeu e se tornou uma ancestral de David e de Jesus Cristo. Esther é único, pois é o único livro da Bíblia que não menciona Deus. Moisés é considerado o autor de .

Notas

  1. O nome vem da junção das primeiras sílabas das três divisões do cânone Hebraico: A Torá (תורה), Neviim (נביאים) (profetas) e Kethuvim (כתובים) (os Escritos) em Unger, Merrill F. In: Harrison, R. K.. The New Unger´s Bible Dictionary. Chicago: Moody Press, 1988. p. 1297. ISBN 0-8024-9037-9
  2. A Igreja Católica Romana inclui os chamados livros deuterocanônicos Tobias, Judite, I e II Macabeus, Sabedoria, Eclesiástico e Baruc totalizando 45 livros. A Igreja Ortodoxa Grega além destes, adiciona os livros III e IV Macabeus, III e IV Esdras e Odes. Além disto, o livro de Baruc é dividido em dois livros: Baruc e Espístola de Jeremias.

Referências

  1. Old Testament By Wikipedia
  2. Wilson, Robert D. A Scientific Investigation of the Old Testament, Sunday School Times, Inc, Philadelphia, PA, 1926, p. 11.
  3. Evans, Craig A. Ancient Texts For New Testament Studies: A Guide To The Background Literature. [S.l.]: Hendrickson Publishing, 2005. p. 2. ISBN 978-1-56563-409-1
  4. Dr. Phil Fernandes (2 de Dezembro de 2008). Historical Apologetics - Part 1. Página visitada em 16 de Julho de 2012.
  5. Melito's Canon na Wikipedia

Ligações externas