Síntese evolucionária moderna

De CriaçãoWiki, a enciclopédia da ciência da criação.

A síntese moderna é a coalescência da evolução darwiniana e a genética mendeliana em uma poderosa estrutura teórica.[1] Também é comumente conhecida como "neo-darwinismo", "síntese neodarwiniana", "nova síntese", "teoria sintética",[2] "síntese evolutiva moderna" ou ainda "síntese evolucionária moderna".

História

A síntese moderna foi posterior à publicação da teoria de Darwin sobre a origem das espécies por seleção natural. Com o passar dos anos, a pesquisa biológica ilustra uma série de deficiências, com suas teorias. No tempo de Darwin escreveu seu manuscrito, a comunidade científica não sabia nada sobre genética ou como a variação era gerada dentro de uma população. Gregor Mendel, que é conhecido como o pai da moderna genética, publicou sua pesquisa vários anos depois de A Origem das Espécies de Darwin. Com o tempo, os princípios da genética demonstrados por Mendel estabeleceram que a variabilidade era limitada e passada para a prole em padrões previsíveis. Muitas décadas mais tarde, após a estrutura do DNA ter sido elucidada, e a fonte de variabilidade ter sido entendida para ser relacionada com as variações de genes (alelos), as mutações foram propostas como fonte de variabilidade na evolução dos populações.

Nos Estados Unidos o trabalho fundamental catalisador foi o livro lançado em 1937 de Theodosius Dobzhansky, Genetic and the Origin of Species.[3] Na Grã-Bretanha uma importante obra foi o livro de Julian Huxley, Evolution: The Modern Syntesis.[3] Outros grandes contribuintes para a síntese incluem Ernst Mayr, com o seu livro de 1942 Systematics and the Origin of Species e George Gaylord Simpson que escreveu o livro Tempo and Mode in Evolution em 1944, entre outros.[4]

A teoria da evolução biológica tornou-se assim uma integração da teoria de Charles Darwin sobre a evolução das espécies pela seleção natural, a teoria de Gregor Mendel sobre a genética como base para a herança biológica, a genética aleatória mutação como fonte de variação, e a matemática da genética de populações. Esta composição de mecanismos é conhecida como a síntese evolutiva moderna.[5]

Crítica

De acordo com Philip E. Johnson, a ​​desconfirmação decisiva do neodarwinismo vem do registro fóssil.[6] Mesmo admitindo a hipótese de que a macroevolução no neodarwinismo seja capaz de produzir alterações básicas, isto não parece ser o caso.[6] Para Duane T. Gish, o registro fóssil deveria produzir milhares e milhares de formas de transição. Ele argumenta que embora apenas uma pequena fração de todas as plantas e animais tenham sido encontradas, também é um fato que já se escavou um bom número representativo dos fósseis que existem. Parece claro que após 150 anos de intensa busca, um grande número de fósseis transicionais teria sido encontrado se este fosse o caso.[7] Francis Hitching afirma que quando se busca os intermediários entre os principais grupos de animais eles simplesmente não existem, pelo menos em números suficientes para que seu status esteja além de qualquer dúvida.[8] Outra questão que desafia o modelo da síntese moderna são as mutações. As mutações são quase sempre prejudiciais (99,99%), se não letais, para o desafortunado organismo onde elas ocorrem.[9]

Referências

  1. Futuyma, Douglas J. Evolutionary Biology. 2ª ed. Sunderland, Massachusetts: Sinauer associates, Inc., 1986. p. 10. ISBN 0-87893-188-0
  2. Dobzhansky, Theodosius. Evolution, Genetics, & Man. New York: Science Editions, John Wiley & Sons, 1967. p. 109. Library of Congress Catalog Card Number: 55-10868
  3. 3,0 3,1 Ruse, Michael. Darwinism Defended:A Guide to the Evolution Controversies. Reading, Massachusetts: Addison-Wesley Publishing Company, 1982. p. 75. ISBN 0-201-06273-9
  4. Futuyma, Douglas J.. Evolution. Sunderland, Massachusetts: Sinauer Associates, Inc, 2005. p. 9. ISBN 978-0-87893-187-3
  5. Modern evolutionary synthesis por Wikipedia
  6. 6,0 6,1 Woodward, Thomas. Doubts about Darwin: A History of Intelligent Design. Grand Rapids, Michigan: Baker Books, 2003. p. 220. ISBN 0-8010-6443-0
  7. Gish, Duane T. Evolution: the Fossils STILL say NO!. El Cajon, California: Institute for Creation Research, 1995. p. 39-41. ISBN 0-89051-112-8
  8. Hitching, Francis. The Neck of the Giraffe: Where Darwin Went Wrong. New Haven & New York: Ticknor & Fields, 1982. p. 19. ISBN 0-89919-102-9
  9. Huse, Scott M. The Collapse of Evolution. 3ª ed. Grand Rapids, Michigan: Baker Books, 1997. p. 45-46. ISBN 0-8010-5774-4