Latim

De CriaçãoWiki, a enciclopédia da ciência da criação.
Latim
Língua latina, Latinō
Falada em: Cidade do Vaticano
Região: Peninsula Italiana
Total de falantes: Nativos: ninguém
Fluentes como segunda língua: estimado em 5,000
Letrado como segunda língua: estimado em 25.000
Posição: 5
Família de linguagem: Indo-Européia

 Itálica
  Latino-Faliscan
   Latim

Sistema de escrita: Alfabeto Latino
Estatuto oficial
Língua oficial de: Cidade do Vaticano
Usada para propósitos oficiais, mas não falada como linguagem do dia a dia
Regulada por: Opus Fundatum Latinitas
(Igreja Católica Romana)
Códigos de línguas
ISO 639-1: la
ISO 639-2: lat
ISO 639-3: lat
{{{map}}}
Extensão de Latim

Latim (lingua Latīna, Latinō) era a língua falada na Roma antiga e nas províncias originais da República Romana antes da conquista da Grécia por Roma.

História

A língua latina tem o nome da tribo latina que viveu no sul da Itália na época da fundação da cidade de Lavínio. De acordo com a mitologia romana, os colonos de Tróia, liderados por Enéias, formaram uma aliança com os latinos itálicos e adotaram a língua deles. Seus descendentes mais tarde fundaram Roma.

O latim pouco se modificou naquele período, até cerca de 200 AC, com a conquista da Grécia. Esta conquista mudaria o caráter nacional e imperial de Roma de muitas formas, principalmente porque os romanos admiravam tanto a cultura grega que adotaram muitas de suas características. Isto incluiu convenções de arte e arquitetura, mas também incluiu sua linguagem. Se o latim permaneceu como língua oficial de Roma, duas coisas importantes aconteceram com relação ao desenvolvimento lingüístico no mundo ocidental:

  1. O grego, e não o latim, tornou-se a língua do comércio nas várias províncias romanas. Um cidadão romano não era mais considerado bem instruído se não conhecesse o grego. Este era o Grego Koiné, ou Grego Comum, no qual os evangelistas, os apóstolos, (especialmente Paulo), e outros autores do Novo Testamento escreveram.
  2. O latim tomou muita coisa emprestada do grego. Muitas palavras latinas eram originalmente palavras gregas, que os romanos freqüentemente adotaram, fazendo pouca mudança nas mesmas, exceto nas letras (alfabeto) com que eram escritas.

Eventualmente, é claro, a República Romana morreu, e o Império Romano começou com o Principado--que quer dizer, com o título de Imperador--de Gaio Júlio César Augusto Otaviano, o filho adotivo e herdeiro do Ditador Gaio Júlio César. O Império Romano continuou a anexar províncias sob uma sucessão de imperadores Júlio-Claudianos, e então, sob os imperadores Flavianos (a partir de 69 DC, com o Imperador Vespasiano). O território romano atingiu sua maior extensão sob o Imperador Trajano. E, na medida em que o Império Romano crescia, o latim e o grego se disseminavam. Eventualmente o Império passou a ser administrado como duas regiões separadas, uma primariamente européia e a outra primariamente asiática. O latim era a língua primária da metade ocidental do Império, e o grego a língua primária da oriental.

A queda de Roma em 454 DC iniciou-se com a lenta morte do latim como língua falada nos negócios. Entretanto, a Igreja Católica Romana, e também a Igreja da Inglaterra, continuaram a usar o latim em suas liturgias por diversos séculos depois. (James Ussher escreveu os seus Anais do Mundo em latim). O latim também influenciou fortemente o desenvolvimento lingüístico nas províncias da Gália (atual França) e regiões próximas e distantes da Espanha, e mesmo no território jamais conquistado da Lusitânia (Portugal moderno), em adição à antiga província da Gália Italiana (norte da Itália) e os Estados Italianos Aliados que continuaram como os Estados Papais e, por fim, como a Itália Unificada.

Uso Moderno

Hoje em dia, os cientistas e médicos no mundo todo usam o latim como base para novos nomes e termos: pelo fato de o latim ser uma "língua morta", ele é considerado seguro para ser usado como base para terminologia, de forma que as gerações futuras continuem a ter uma fundação lingüística comum; usar uma "língua viva", como o inglês, estaria sujeito a utilizar palavras e termos que podem desenvolver novas conotações ou sair de uso comum com o passar do tempo. Os advogados e alguns outros profissionais também freqüentemente recorrem ao latim ou grego para cunhar um novo termo ou frase para o qual um equivalente em inglês ou outra língua corrente não existe, ou conteria palavras demais, ou não soaria suficientemente "erudito".

Em adição, setenta por cento de todas as palavras do inglês moderno derivam do latim ou grego, e algumas vezes, do grego através do latim; este percentual é ainda mais elevado nas língua "românicas", como italiano, espanhol ou português. O latim ainda é ensinado em algumas (mas não todas) as escolas de nível secundário nos Estados Unidos (o grego não é ensinado, apesar de os educadores antigamente o consideravam parte essencial de uma educação clássica bem feita).

Fatos técnicos

O latim é escrito usando o alfabeto romano, que é utilizado nos países de fala inglesa e na Europa ocidental. Entretanto, a pronúncia do latim é diferente da inglesa de várias formas importantes. Por exemplo:

  1. Não existem em latim sons ásperos, como "j" do português. No latim clássico, a letra "J" não existe; em seu lugar, usa-se a letra "I" que soa como o "i" duro em "águia".
  2. Consoantes fricativas, como "V", também não existem em latim - exceto no latim eclesiástico. O alfabeto romano original também não possuía a letra "U". Ao invés disso, um escriba romano escreveria a letra semelhante ao "V" moderno e a pronunciaria como a vogal "U", como na palavra "bule".
  3. O "C" latino era sempre pronunciado na sua forma oclusiva, como o som do "k" (ex: Canadá, Kit).
  4. O ditongo latino "AE" era pronunciado como "ei." Em contrasto, a letra "I", quando usada como vogal, era sempre pronunciada como o "i" do português.

Portanto, o nome "Júpiter" seria pronunciado "Iú-pi-ter", "Caesar" seria pronunciado "Cei-sar," e "Vênus," "Uí-nus."

Esta influência permanece de diferentes formas em todas as línguas românicas como Francês, Italiano, Espanhol, e Português. Cada uma destas linguagens preserva alguma influência das línguas originalmente faladas nos tempos pré-românicos - exceto que o Francês tem uma forte influência grega, especialmente em alguns dos sons vocálicos que utilizada.

Exemplos de Palavras Modernas Derivadas do Latim ou do Grego

Grego Latim Inglês
αγω ("ago", conduzir) ago, agere, axi, actum (eu ajo) agent, act, action, actor
πυρ (fogo) purus (refinado, referindo-se a um metal) puro (feito de uma só substância)
ϕερω (levar) fero (Eu carrego) -fer- (algo que carrega alguma outra coisa (ex: transferir))
ϕευγω (fugir) fugo (Eu fujo) -fug- (centrífugo, fugitivo, fuga)

Ver também

Ligações externas