A evolução é ambiguamente definida (Talk.Origins)

De CriaçãoWiki, a enciclopédia da ciência da criação.
Talkorigins.jpg
Artigo Resposta
Este artigo (A evolução é ambiguamente definida (Talk.Origins)) é uma resposta a uma réplica de uma reivindicação criacionista publicada pelo Talk.Origins Archive sob o título Index to Creationist Claims (Índice de Reivindicações Criacionistas).


Alegação CA212:

A evolução é definida de forma ambígua, e alega que é um fato baseado na ambigüidade. Geralmente é definida como "mudança nas características hereditárias em uma população ao longo do tempo" (freqüentemente expressa como "mudança nas freqüências alélicas"), que todos aceitam como fato, mas isso não significa que a macroevolução ou a origem comum sejam um fato.

Fonte: POSH (Parents for Objective Science and History), n.d. Biologia, revisão de texto.


Resposta da CreationWiki:

A Talk Origins não contesta a afirmação de que a evolução é definida ambiguamente. A fonte que usa é bastante instrutiva em mostrar como essa ambigüidade é usada em salas de aula, e essa ambiguidade não está limitada a isso. Pode ser vista na mídia e até mesmo pelos próprios evolucionistas. Eles usam a palavra "evolução" para falar sobre

  • Evolução estelar - o desenvolvimento de estrelas
  • Evolução cosmológica - a história eo desenvolvimento do universo
  • Evolução química - a origem da vida

(Para fontes sobre isto ver CA610 onde a afirmação de que a evolução só lida com a evolução biológica quando ela começa é refutada.)

É também verdade que os evolucionistas usam a variedade dentro dos tipos de animais e a especiação, que é uma mudança morfológica e genética relativamente menor dentro de uma família de organismos vivos, e bactérias, traças, cães, etc, como evidência da teoria da evolução que afirma que através de bilhões de anos as bactérias se transformaram em peixes, anfíbios, répteis, aves e mamíferos, que é, por sinal, uma mudança de vulto.

Você pode ter ouvido sobre as bactérias ganhando resistência aos antibióticos, ou as aves que eram uma vez interferteis (capazes de produzir prole) sendo divididas em dois grupos que não podem mais se reproduzir um com o outro descrito como a "evolução em ação". O fato da questão é que as bactérias ainda são bactérias, e as aves ainda são aves. As partes principais da teoria da evolução, também conhecidas como darwinismo ou neodarwinismo ou evolução biológica, nunca foram observadas e, portanto, não podem ser classificadas como fato. Mas este é um exemplo de como a ambigüidade da palavra "evolução" é usada para dizer que um efeito de pequena escala que é denominado como "evolução" é evidência da teoria geral quando eles não estão intrinsecamente relacionados. O efeito de pequena escala é observado e aceito pelos criacionistas, mas os criacionistas não dão o salto da fé cega para dizer que essa mudança de pequena escala é ilimitada ou que os limites são tão vastamente maiores do que o que é observado.

Note que é com base na grande extrapolação não observada e não observável (e portanto não científica) da mudança em pequena escala observada, que os evolucionistas acreditam que os fósseis nas camadas do solo estão relacionados, que semelhanças no código genético de diferentes, aparentemente não relacionados, gêneros de organismos vivos (como peixes e porcos, ou porcos e seres humanos) dizem algo sobre como eles são descendentes e outras chamadas evidências para a teoria da evolução biológica.

De qualquer forma, vamos lidar com a discussão da Talk Origins sobre esta afirmação criacionista.

(citações da Talk.Origins em azul)


A linguagem tende a ser ambígua às vezes (por exemplo, a entrada para a palavra "set" abrange mais de vinte e duas páginas do Oxford English Dictionary original.) A palavra "evolução" é um exemplo infeliz dessa ambigüidade; ela é usada para o fato da mudança biológica ao longo do tempo; como abreviatura para a teoria da evolução, que abrange uma gama muito mais ampla de observações e idéias; e para a mudança em geral, em qualquer domínio. A ambigüidade geralmente pode ser resolvida pelo contexto em que a palavra é usada, pelo menos por pessoas que sabem alguma coisa sobre a evolução biológica.

A Talk Origins faz uma declaração precisa. Este fato é útil para quem olha para as evidências que os evolucionistas usam para promover sua teoria religiosa. Olhando para o contexto do uso da palavra "evolução", e comparando isso com a evidência que é apresentada, a maioria das pessoas pode dizer quanta bagagem filosófica é aplicada à palavra "evolução" e as evidências que ela usa. Você será capaz de ver se o que está sendo falado é uma pequena variação ou evidência observada real da teoria da mega-mudança da evolução biológica.

Misturar contextos é de fato impróprio, e o fato da mudança de freqüência de alelos, por si só, não estabelece a teoria da evolução.

Novamente, podemos concordar com esta frase.

A solidez da teoria da evolução não descansa na ambigüidade. Pelo contrário, os artigos científicos são escritos para que outros cientistas possam dizer o que os autores estão falando; eles devem ser tão inequívocos quanto possível. A evidência é esmagadora: a evolução não é apenas uma teoria; os principais aspectos dela, como a origem comum, também são fatos.

Isto é onde a precisão falha com a Talk Origins. Como eu disse antes, a leitura cuidadosa de artigos científicos e a escuta cuidadosa do que os evolucionistas dizem pode ajudar uma pessoa a determinar que tipo de mudança está sendo falada, como a palavra "evolução" está sendo usada, e se a evidência apresentada realmente acrescenta evidência positiva para a teoria da evolução. Mas dizer que a evidência para a teoria da evolução biológica (darwiniana) (ou qualquer outra forma importante de evolução naturalista, como evolução química, evolução estelar ou evolução cósmica) é esmagadora é, na melhor das hipóteses, questionável, e na pior das hipóteses, uma mentira, um erro grosseiro. Isto é de novo um "elephant hurling", onde uma pessoa dá uma declaração vaga mas grande que reivindica alguma autoridade devido à grande dimensão do apoio, mas uma fez que nada daquela evidência é dada (ou os aspectos principais dela foram refutados), a indicação por si mesma tem pouco valor real, caso exista.

A Talk Origins diz que a evolução não é apenas uma teoria, e, provavelmente, está falando sobre a evolução biológica, a hipótese de Darwin sobre a origem das espécies ou sobre a idéia de que todos os organismos vivos são provenientes de um ou poucos antepassados comuns. Não há evidências científicas (observáveis) reais para isso. A Talk Origins tenta fazer com que a origem comum seja um fato. Notemos um aspecto muito importante desse "fato". Nunca foi observado. Não há registro histórico de tal coisa. É mais parecido com uma interpretação naturalista de fenômenos diferentes. Vou anotar uma idéia para ajudá-lo a ver o que quero dizer.

Perto do fundo da coluna geológica hipotética evolutiva, sua descrição teórica de como as camadas da terra devem ser ordenadas, existem sinais de bactérias. Acima dessa camada, em seu quadro teórico, existem criaturas mais complexas (na verdade, existe uma enorme lacuna de complexidade entre o Precambriano [o nome da camada inferior na coluna teórica] e camadas cambrianas [a camada seguinte em cima] que é comumente conhecida como "a explosão cambriana"). Em outras palavras, em uma camada, algumas coisas "simples" são enterradas e, na outra camada, são enterradas coisas mais complexas. Agora, os evolucionistas não podem fazer testes de DNA nos fósseis para descobrir quem é o pai (como um teste de paternidade) para ver se eles realmente estão relacionados. Eles simplesmente acreditam que o organismo da camada mais ao fundo mudou para os organismos que estão nas camadas mais altas. Nenhuma coisa tem sido observada no mundo vivo hoje ou na experiência humana. Eles estão apenas impondo seu naturalismo religioso sobre os fósseis em sua própria idéia teórica sobre estratos rochosos.

Há muitas mais suposições não testáveis envolvidas, mas acabei de lhe dar isso para lhe dar uma idéia de como os evolucionistas podem operar. Não são observadores imparciais dos fatos. Eles são seres humanos tendenciosos que impõem sua visão de mundo sobre a evidência, como todos os outros. Os criacionistas admitem seu viés. Cabe às pessoas encontrar qual é o viés certo para ter.

Também você precisa ter muito cuidado com as coisas que a Talk Origins alega que são fatos que não são. Pode indicar que as principais partes da teoria da evolução são fato, mas podem não ser. O exemplo que eles dão definitivamente não é. É consistente com a teoria e a teoria está longe de ser fato, e é por isso que se chama "a teoria da evolução", e como alguns antigos comentadores judeus e cristãos declararam: uma teoria que é útil [mesmo que seja questionável quando se trata da teoria da evolução] não mostra, portanto, que é verdade/fato.

Um ponto importante a ser observado é o que a ciência não pode fazer. A Talk Origins tenta nos falar sobre o "fato" de uma ancestralidade comum de um organismo simples, possivelmente uni-celular, sugerindo que as mudanças que o organismo tem que passar para nos tornar realidade são factuais. Uma vez que isso nunca foi observado na experiência humana, a próxima citação é útil para julgar tal afirmação.

"O cavaleiro universalmente mantido na teoria do empirismo é a prova de Hume da improvabilidade máxima de qualquer conhecimento experiencial ou o 'princípio da incerteza'. Isso significa que os cientistas concordam que mesmo a teoria mais bem testada não é certamente verdadeira e até mesmo a previsão mais bem fundamentada pode, em princípio, estar errada. A experiência sozinha tem a última palavra sempre. Esta tese - ela mesma 'comprovada' apenas pelo senso comum ou pelo raciocínio ordinário - é aclamada na ciência como a garantia da abertura mental e anti-dogmatismo. Ensina cautela e reserva sobre todas as observações passadas e teorias presentes." (Objectivity in science, por Robert Priddy)

Uma vez que o "fato" da ancestralidade comum de um organismo mais simples estar fora da experiência humana, não é simplesmente um fato, nem mesmo científico. A Talk Origins ultrapassa seus limites aqui, alegando ser um site científico, mas fazendo reivindicações não científicas.

Apenas uma última coisa. Toda a afirmação da Talk Origins é a seguinte: "A evolução não é apenas uma teoria; Principais aspectos da mesma, como origem comum, também são fatos." Esta afirmação é bastante imprecisa. A evolução é ainda apenas uma teoria, mesmo que tenha fatos dentro dela. Por quê? Porque pode ser uma má interpretação ou deturpação dos fatos que contém, mesmo que possivelmente tenha alguma utilidade. E, como mencionei anteriormente, o exemplo de "fato" dado coloca a idéia de que os principais aspectos da teoria são fatos em questão. Além disso, é o fato de que há evidências contra a teoria geral mesmo no mundo observável de hoje, por exemplo, mudanças limitadas nos organismos vivos, nenhuma evidência de que a natureza por si só possa criar mais informações genéticas necessárias para a grande teoria da evolução. Repito, a evolução ainda é apenas uma teoria no melhor dos casos e um mito religio-filosófico não científico sobre a história dos organismos vivos na pior das hipóteses.

Os criacionistas às vezes abusam da ambiguidade em sua própria vantagem, tentando, por exemplo, incluir mudanças cosmológicas como parte da teoria da evolução (Hovind n.d.). Esta é uma grande ignorância, desonestidade deliberada ou ambas.

Isso também está incorreto. Embora Hovind inclua mudanças cosmológicas como parte do que ele chama a "teoria geral da evolução" (veja abaixo), isso não é o mesmo que os darwinistas chamam de "teoria da evolução", que é apenas evolução biológica. Ele separa a evolução cósmica da evolução biológica, mas mostra que todos eles se enquadram em um guarda-chuva naturalista e ateísta de um desenvolvimento evolutivo do universo em seu estado atual, incluindo os organismos vivos e o universo ao seu redor. Portanto, sua "teoria geral da evolução" é uma visão geral dessa história evolutiva naturalista do universo. Na citação abaixo ele resume sua visão geral (o que ele chama de "teoria geral") com 5 principais afirmações naturalistas, as duas últimas referindo-se à teoria da evolução biológica.

"Quando uso a palavra evolução, não me refiro às variações menores encontradas em todas as várias formas de vida (microevolução). Estou me referindo à teoria geral da evolução que acredita que esses cinco grandes eventos aconteceram sem Deus:

  • O tempo, o espaço e a matéria vieram a existir sozinhos.
  • Planetas e estrelas se formaram a partir de poeira espacial.
  • A matéria criou a vida por si só
  • As primeiras formas de vida aprenderam a se reproduzir.
  • Ocorreram grandes mudanças entre essas diversas formas de vida (ou seja, peixes mudados para anfíbios, anfíbios mudados para répteis e répteis mudados para aves ou mamíferos)." (Oferta de $ 250,000 do Dr. Hovind)

Ele mostra que a palavra "evolução" é ambígua e tem uma série de usos que ele justificadamente usa, já que outros cientistas usam os termos que ele usa da maneira como ele os afirma. Você vê isso mais abaixo em sua página onde ele tem 6 formas de evolução.

"Há pelo menos seis significados diferentes e não relacionados à palavra "evolução", como são usados nos livros didáticos de ciências.

  1. Evolução cósmica - origem do tempo, espaço e matéria. Big Bang.
  2. Evolução química - a origem de elementos superiores ao hidrogênio.
  3. Evolução estelar e planetária - Origem das estrelas e dos planetas.
  4. Evolução orgânica - Origem da vida por matéria inanimada.
  5. Macroevolução - Origem dos principais tipos.
  6. Variações de Microevolução dentro de tipos- Somente esta foi observada, as cinco primeiras são religiosas. Elas são cridas, pela fé, embora não existam evidências empíricas para provar de alguma forma. Enquanto admiro a grande fé dos evolucionistas que aceitam as cinco primeiras, protesto contra a inclusão dessa propaganda religiosa na ciência legítima a expensas do contribuinte. (ibid.)

Então a Talk Origins ou o entendeu mal, ou eles estavam simplesmente a difamá-lo e outros criacionistas.

Ver também