Nucleotídeo

De CriaçãoWiki, a enciclopédia da ciência da criação.

Nucleotídeos

Nucleotídeos ou Nucleótidos estão presentes em quase todas as células de um organismo. São compostos ricos em energia e que auxiliam os processos metabólicos, principalmente as biossínteses, na maioria das células. Uma combinação de quatro dos nucleotídeos mais proeminentes, o trifosfato de adenosina, o trifosfato de guanosina, o trifosfato de citidina, e trifosfato de timidina fazem a nossa cadeia de ADN. Este é o seu uso mais proeminente, mas existem muito mais usos para eles. Ao todo, há um total de trinta nucleotídeos diferentes: quinze desoxirribonucleótidos e quinze ribonucleótidos.[1]

Nucleótidos são geralmente abreviados; o trifosfato de adenosina poderia ser abreviado para o ATP. O "A" na ATP se refere à sua nucleobase Adenina. O "T" define o comprimento do grupo fosfato. Ele tanto pode ser um "M" para mono-(significando um), "D" de Di-(significando dois), ou "T", como no ATP de Tri-(significando três). O "P" refere-se ao fato de que tem um grupo fosfato. Em alguns casos, uma letra minúscula "d" na frente do nome tem o significado de que é um desoxirribonucleótido. Um exemplo de um desoxirribonucleótido é o dCTP, significando desoxi-citidina-trifosfato. É possível have a notração "c" também que é colocada na frente de alguns nucleotídeos. Um exemplo é o AMPc chamado de monofosfato cíclico de adenosina.[2]

Índice

Estruturas Comuns

Nucleotídeos têm uma estrutura bastante simples. É uma adição de grupos fosfato e nucleotídeos que os tornam capazes de fazer seus trabalhos. Nucleótidos são um composto químico composto de açúcares, uma base heterocíclica e um grupo fosfato. Os grupos fosfato poderão ser um mono-, di-, ou tri-fosfato.

        O   O   O
        ||  ||  ||
      O–P–O–P–O–P–O– 
        |   |   |
        O-  O-  O- 

Existem dois tipos de açúcares utilizados na nucleótidos. Desoxirribose e ribose são os açúcares utilizados nos nucleótidos. Estes açúcares são pentoses. Uma pentose é qualquer açúcar com cinco carbonos em sua cadeia.[1] Os açúcares principais deste grupo são ribose, arabinose, xilose e lixose. Fora destes quatro, a única a ser utilizada é a ribose.[3]

Trifosfato de adenosina

A última coisa que compõe um nucleotídeo é a sua base heterocíclica. As bases heterocíclicas mais comuns usados ​​em nucleótidos são purina ou pirimidina. A fórmula química da purina é C5H4N4, de forma semelhante a fórmula química da pirimidina é C4H4N2. A diferença entre as duas é pequena. A pirimidina tem um átomo de carbono a menos e dois átomos de nitrogênio a menos. Além dessas diferenças estruturais sutis elas são praticamente as mesmas.[4]

Quando esses três componentes são colocados juntos eles fazem um nucleotídeo. Os diferentes nucleotídeos surgem quando diferentes comprimentos de grupos fosfato se misturam com diferentes tipos de bases heterocíclicas e açúcares diferentes. Quando os nucleótidos não têm grupo fosfato são chamados nucleósidos.[2]

Uso para Nucleotídeos

O uso mais importante para um nucleotídeo ocorre no ADN e ARN. No ADN quando o ATP, o GTP, o CTP e o TTP se ligam juntos eles formam uma longa seqüência de informações. O ADN em essência é pura informação. A forma como a informação é codificada está na forma como os nucleótidos se alinham. A cadeia TCAG é muito diferente da cadeia CCAG. O que torna ainda complexo o ADN é que A, T, G e C não podem todos se ligar uma com a outra. As seqüências TCAG e CCAG no ADN teriam a seguinte aparência:

        T-A         C-G
        C-G         C-G
        A-T         A-T
        G-C         G-C

Como mostrado acima, T pode apenas se ligar a A e vice-versa. Da mesma forma, C pode apenas se ligar com G. Isto torna as fitas de ADN ainda mais complexas, mas também mais fáceis de ler, porque se você ver um lado, você vai automaticamente vai saber o que se passa do outro lado.

O ARN é muito semelhante ao ADN. No entanto, existem mudanças ligeiras efectuadas aos padrões quando é levado para fora do núcleo.[5] Todos os nucleótidos TTP são alterados quando o ADN envia o ARN. Eles são alterados de Timina-trifosfato para uracilo-trifosfato. Assim, na cadeia de ADN acima a sequência TCAG, na cadeia de ARN mudaria para UCAG. O mesmo pareamento entre A e T continua, mas no lugar do "T" agora ocorre o pareamento do A com o "U". Este método de emparelhamento no ADN e no ARN é chamado emparelhamento de bases.

Outros Papéis Específicos

Nucleotídeos pode ter mais de um emprego. Assim como uma proteína pode ser responsável pela construção de centenas de proteínas diferentes. A ATP é utilizada não só no ADN, nem o GTP. A ATP também é usada como um transdutor em reacções bioquímicas. Em algumas reacções de ATP pode ser usada para ajudar a molécula alterar a sua forma. Nestes casos, funciona como um catalisador. O GTP é uma grande fonte de energia. Às vezes, é dividida quando a célula/molécula precisa de mais energia para realizar tarefas específicas. Uma tal tarefa, por exemplo, é a síntese de proteínas. O GTP é usado no processo para "combustível" a operação. Se não houvesse o GTP a síntese teria que parar até que pudessem furtar-se outras formas de energia como carboidratos ou açúcares livres.[2]

Outro papel específico de um nucleótido é realizado pelo cAMP, monofosfato cíclico de adenosina. Este nucleótido é utilizado principalmente para o envio de informação. É importante na ação dos hormônios. Ele ajuda a dar ao hormônio a mensagem certa para ser enviada. Ele também desempenha um papel no envio de informação através do sistema nervoso.[2]

Conclusão

O uso primário dos Nucleotídeos está no ADN e no ARN. Eles são o que ajuda a mantê-los únicos e também o que armazena todas as informações que o seu corpo ou qualquer outro organismo necessita para se manter vivo. Apesar dos nucleotídeos serem simples na natureza, eles pegam um monte de "socos". Apenas com a alternância de quatro nucleotídeos em uma fita de DNA se pode armazenar toneladas de informação, mais do que os computadores de nossos dias podem conter. Nucleotídeos são muito pequenos pelo que são de vital importância para a vida e como as coisas correm no corpo.


Ligações externas

Referências

  1. Nucleotídeos. Página visitada em 16 de Abril de 2012.
  2. 2,0 2,1 2,2 Purves, William K. et al.. Life: The Science of Biology. Gordensville, VA: W. H. Freeman, 2004. 1441 p. p. 54-57. ISBN 0-71676474-1
Ferramentas pessoais
Noutras línguas