Primeiros escritos cristãos

De CriaçãoWiki, a enciclopédia da ciência da criação.
Página do Codex Vaticanus escrito ca. 350 dC

Os primeiros escritos cristãos são obras religiosas escritas pelos primeiros cristãos, algumas das quais foram mais tarde canonizados como o Novo Testamento de hoje. Eles compreendem os documentos originais que delineiam os princípios reguladores, as práticas, e a História da Igreja Cristã. O cânon bíblico contém o que é considerado os mais importantes dos escritos cristãos (os 27 livros que formam o Novo Testamento).

O Novo Testamento, juntamente com muitos outros escritos na época foi reconhecido pelos adversários e teólogos, bem como outras autoridades dentro da infância primitiva da igreja cristã. Celso, por exemplo, foi um filósofo grego do século 2 e um dos primeiros adversários proeminentes da teologia cristã e filosofia.[1] Celso rótulou o cristianismo como tendo uma tal forma de escrita que se lê como se o Novo Testamento, ou o que os cristãos compreendiam e, assim, comunicavam a sua fé a partir dele, tinha sido estabelecido por décadas antes. Afirmando que apelava apenas para a classe ignorante e intelectualmente inferior da sociedade dentro de seu tratado A Palavra Verdadeira.[2][3] Orígenes em seus oito livros "Contra Celso" rebate as acusações e calúnias de Celso.[4] Há também Atanásio de Alexandria (293-373 dC).[5] Durante o tempo de cerca de 290 anos após a morte de Cristo, Atanásio foi uma figura proeminente defendendo contra a heresia ariana, que rejeitou Jesus Cristo como Deus. Também entre os primeiros séculos do cristianismo havia também Santo Agostinho de Hipona (354 a 430 dC) que se tornou muito influente e proeminente teólogo entre os primeiros cristãos. Ele citou diretamente ou aludiu a todos os 27 livros do cânon do Novo Testamento em seus escritos. Com um total de 31.817 citações do Antigo Testamento, Novo Testamento e Apócrifos[6] A motivação de Agostinho era combater retoricamente muitas noções fundadas em argumentos ao longo das décadas e séculos, como A Palavra Verdadeira de Celso, que se opôs a doutrina cristã estabelecida.

Os Pais Apostólicos são proeminentes escritores cristãos que são tradicionalmente entendidos de ter conhecido e aprendido com os discípulos pessoais de Jesus. Os Padres da Igreja são escritores posteriores sem qualquer conexão direta com os discípulos. Apologistas defenderam o cristianismo contra seus críticos, especialmente os filósofos pagãos. A história do cristianismo é derivada, para além do cânon bíblico, através destes teólogos, apologistas e historiadores iniciais. Os primeiros e mais proeminentes escritos canônicos não bíblicos de tais cristãos foram concluídos apenas 100 anos depois de Cristo. Eles foram fortes defensores de Seus ensinamentos, teólogos profundos de suas filosofias, bem como oponentes formidáveis ​​contra heresias contemporâneas obscurecendo a clareza do pensamento cristão. Autores notáveis ​​incluem Justino, Irineu, Tertuliano e Eusébio de Cesaréia.

Novo Testamento

O Novo Testamento é uma coleção de 27 livros e cartas, escritos pela comunidade cristã primitiva, e escritos principalmente em grego. A ênfase do Novo Testamento é a vida, ensinamentos e dom da salvação da figura central de toda a obra, Jesus de Nazaré. Esses livros são agrupados nos seguintes:

Evangelhos

Os Evangelhos contêm a história de Jesus. Os Atos dos Apóstolos são uma continuação dos Evangelhos, documentando a história da igreja primitiva, começando imediatamente após a morte e ressurreição de Jesus. Dos autores, apenas Mateus e João tiveram encontro com Jesus; eles estavam entre os seus discípulos durante Seu ministério terreno. Marcos era um companheiro de Pedro, e seu evangelho foi o primeiro a ser escrito, cerca de 50 dC. Lucas é considerado o autor do tanto de seu evangelho quanto do livro de Atos.

Epístolas Paulinas

Estes são cartas escritas para várias comunidades cristãs primitivas pelo apóstolo Paulo.

Paulo tem sido atribuído por muitos como o autor da Epístola aos Hebreus devido a evidência interna dentro do trabalho, mas vários outros, como Barnabé, Lucas e Apolo também são alegados ser o autor. A controvérsia, no entanto, não afeta a genuinidade da epístola.[7]

Epístolas Gerais

Apocalipse

O Livro da Revelação, também chamado O Apocalipse, é o último trabalho no Novo Testamento, bem como de toda a Bíblia, escritos perto do ano 100 dC pelo apóstolo João durante o seu exílio na ilha grega de Patmos. O Apocalipse está preocupado com a condição das Sete Igrejas da Ásia antes de ir profundamente em uma descrição dos últimos dias antes do início da Idade do milênio.

Pais Apostólicos

Os pais da igreja se dividem em duas épocas; apostólica e pós-apostólica. As linhas separadas de sucessão apostólica mostram a divisão natural de autoridade, mas também, em última análise a deterioração da autoridade competente, ou o que é a doutrina essencial da igreja cristã primitiva, através de textos extra-bíblicos. De Cristo aos seus Apóstolos e dos Apóstolos aos seus alunos os Padres Apostólicos, e dos pais apostólicos para os pós-pais apostólicos, e assim por diante. Conforme o tempo passa porém aqueles considerados pais da Igreja, pouco a pouco, se distrairam em pequenos desvios da doutrina estabelecida, assim, seus escritos assumiram uma relação de subordinação com os escritos dos Padres Apostólicos, que por sua vez são subordinados aos primeiros escritos cristãos chamados de Novo Testamento .

Pais da Igreja

Justino Mártir

Ele nasceu por volta de 114 dC em Flavia Neápolis, uma cidade da Samaria e provavelmente foi bem educado tendo viajado extensivamente. Ele mais tarde se tornou um discípulo de Sócrates e Platão através do qual ele desenvolveu suas filosofias de vida que logo gravitaram em torno de Cristo.

Os escritos de Justino Mártir estão entre os mais importantes que temos a partir do século II dC. Seus escritos não são os primeiros escritos sobre os assuntos que ele aborda, que são chamados de suas apologias, mas são as primeiras existentes. Um de seus mais importantes escritos intitulado Diálogo com Trifão, é o primeiro raciocínio detalhado defendendo Cristo como o Messias do Antigo Testamento. Isso também tornou-se essencialmente a primeira tentativa de argumentar com os judeus em relação aos seus pontos de vista em relação aos do cristianismo sobre as implicações proféticas de Cristo. Muitos dos escritos de Justino Mártir foram destruídos pelo tempo, mas há alguns que são considerados como tendo sido escritos por ele e atestam sua autoria real. Eles são:


  1. First Apology (Primeira Apologia)
  2. Second Apology (Segunda Apologia)
  3. Dialogue with Trypho (Diálogo com Trifão)
  4. Hortatory Address to the Greeks (Endereço Exortativo aos Gregos)
  5. On the Sole Government of God (Sobre o Único Governo de Deus)
  6. Fragments of the Lost Work on the Resurrection (Fragmentos do Trabalho Perdido sobre a Ressurreição)
  7. Miscellaneous Fragments from Lost Writings (Fragmentos Diversos dos Escritos Perdidos)
  8. Martyrdom of Justin, Chariton, and other Roman Martyrs (Martírio de Justino, Chariton, e outros Mártires Romanos)
  9. Discourse to the Greeks (Discurso aos Gregos)[8]

Irineu

Considerado como sendo grego Irineu nasceu por volta de 130 dC, no que era chamada de Esmirna na Bíblia e Izmir, na Turquia ocidental moderna. Seu interesse no cristianismo foi desencadeado por ouvir Policarpo pregar que foi ensinado pelo apóstolo João, que foi testemunha ocular da vida, morte e ressurreição de Cristo. Por causa da conexão com alguém que testemunhou e foi um discípulo de Jesus, Irineu é uma figura importante na história eclesiástica dado que seus escritos são muito próximos a fontes de testemunhas oculares primárias. Os escritos que sobreviveram ao longo dos anos são:

  1. Against Heresies (Contra Heresias)
  2. Fragments from the Lost Writings of Irenaeus (Fragmentos dos Escritos Perdidos de Irineu)

Tertuliano

Tertuliano nasceu em 160 dC, em Cartago, que é nos dias atuais a Tunísia. Ele deixou 31 tratados existentes que datam de cerca de 190-220 dC, e converteu do paganismo ao cristianismo em torno de 197 dC. Ele é conhecido como o primeiro cristão a escrever em Latim.Tertuliano cresceu irritado quando ele testemunhou compromisso na igreja, ou seja, relutância em serem martirizados, e vontade de perdoar pecados públicos mais graves. Por estas razões, alinhou-se com o movimento montanista e lidou com estes assuntos em seus escritos.[9]

Escritos de Tertuliano que sobreviveram ao longo dos anos são:

  1. The Apology (A Apologia)
  2. On Idolatry (Sobre a Idolatria)
  3. De Spectaculis (Os Espetáculos)
  4. De Corona (o Terço)
  5. To Scapula (para Escápula)
  6. Ad Nationes (Às Nações)
  7. An Answer to the Jews (Uma Resposta para os Judeus)
  8. The Soul's Testimony (Testemunho da Alma)
  9. Treatise on the Soul (Tratado Sobre a Alma)
  10. The Prescription Against Heretics (A Prescrição Contra Hereges)
  11. Against Marcion (Contra Marcion)
  12. Against Hermogenes (Contra Hermógenes)
  13. Against the Valentinians (Contra os Valentinianos)
  14. On the Flesh of Christ (Sobre a Carne de Cristo)
  15. On the Resurrection of the Flesh (Sobre a Ressurreição da Carne)
  16. Against Praxeas (Contra Práxeas)
  17. Scorpiace
  18. Appendix (Against All Heresies) (Apêndice - Contra Todas as Heresias)
  19. On Repentance (Sobre o Arrependimento)
  20. On Baptism (Sobre o Batismo)
  21. On Prayer (Sobre a Oração)
  22. Martyras (Martírio)
  23. The Martyrdom of Perpetua and Felicity (O Martírio de Perpétua e Felicidade) (Às vezes atribuído à Tertuliano)
  24. Of Patience (Sobre a Paciência)
  25. On the Pallium (Sobre o Pálio)
  26. On the Apparel of Women (Sobre o Vestuário da Mulher)
  27. On the Veiling of Virgins (Sobre o Véu das Virgens)
  28. To His Wife (Para sua Esposa)
  29. On Exhortation to Chastity (Sobre a Exortação à Castidade)
  30. On Monogamy (Sobre a Monogamia)
  31. On Modesty (Sobre a Modéstia)
  32. On Fasting (Sobre o Jejum)
  33. De Fuga in Persecutione (Sobre a Fuga nas Perseguições)

Eusébio

Eusébio de Cesaréia (ca. 260-ca. 340 dC), o "Pai da História da Igreja," tinha aptidão para a pesquisa histórica superior à de todas as outras autoridades da Igreja que o precederam ou foram contemporâneos com ele. Foi curador da Biblioteca de Cesaréia (depois de Orígenes e Pânfilo)e enquanto lá, ele escreveu sua obra mais famosa, a História Eclesiástica.[10] Ele é mais conhecido por classificar todas as obras conhecidas ou inspiradas pelos Apóstolos e, assim, lançando as bases para o desenvolvimento do cânone do Novo Testamento.[11]

Outras obras de Eusébio incluem:

  1. Vida de Pânfilo, agora perdida. Apenas um fragmento permanece.
  2. Martírios antigos, agora perdida
  3. Sobre os Mártires da Palestina
  4. A Crônica de Eusébio
  5. Church History (História Eclesiástica)
  6. Life of Constantine (Vida de Constantino)
  7. Oration of Constantine "to the Assembly of the Saints" (Oração de Constantino "à Assembléia dos Santos")
  8. Oration in Praise of Constantine (Oração em louvor de Constantino)
  9. Letter on the Council of Nicaea (Carta sobre o Concílio de Nicéia)
  10. Contra Hiérocles
  11. Contra Porfírio, 25 volumes, agora perdida
  12. Praeperatio Evangelica, 15 volumes
  13. Demonstratio Evangelica, 20 volumes
  14. Praeperatio Ecclesiastica, agora perdida
  15. Demonstratio Ecclesiastica, agora perdida
  16. Dois livros de Objeção e Defesa, agora perdida
  17. Theophania (Manifestação Divina), da qual uma versão siríaca sobrevive
  18. Sobre o numerosa descendência dos Antigos
  19. Cinquenta cópias da Bíblia, encomendada por Constantino
  20. Seções e Cânones
  21. Uma edição da Septuaginta[12][13]

Lista de escritores

Os escritores antigos e modernos são da maior importância como fontes para pesquisar contextos sócio-históricos para um método honesto de interpretação ao ler a Bíblia. Os primeiros ou antigos escritores cristãos especificamente ofereceram testemunho direto de Jesus e/ou sobre a tenra infância da igreja cristã criticamente apresentando os primeiros séculos do cristianismo a partir do nascimento de Cristo até cerca de 400 AD.

Referências

  1. Introduction: GENERAL ABSTRACT OF EVENTS IN Eusebius’ HISTORY Celsus. Paragraph 22
  2. Celsus Por Wikipedia
  3. FRAGMENTS FROM ORIGEN AGAINST CELSUS
  4. Orígenes. Contra Celso (em Espanhol). Madrid: La Editorial Católica - Biblioteca de Autores Cristianos, 1967. p. 35-39. Depósito legal M 19141-1967
  5. Reid, George. "Canon of the New Testament." The Catholic Encyclopedia. Vol. 3. New York: Robert Appleton Company, 1908. Accessed September 17, 2008.
  6. Um índice de escrituras para as obras de Santo Agostinho traduzidas para o Inglês por James W. Wiles. Page xix
  7. Unger, op. cit., p. 748
  8. Schaff, Philip. "Introductory Note to the Writings of Justin Martyr." In The Apostolic Fathers with Justin Martyr and Irenaeus, Christian Classics Ethereal Library, Calvin College. Accessed October 4, 2008.
  9. Pearse, Roger. "The 'Noddy' Guide to Tertullian." The Tertullian Project, 27 setembro de 2008. Acessado em 04 de outubro de 2008.
  10. Eusébio de Cesaréia. História Eclesiástica: Os primeiros quatro séculos da Igreja Cristã. Rio de Janeiro, RJ: Casa Publicadora das Assembléias de Deus, 1995. p. 1. ISBN 85-263-0251-5
  11. Davis, Glenn. "Entry for Eusebius." The Development of the Canon of the New Testament, 2008. Acessado em 04 de outubro de 2008.
  12. Bacchus, Francis Joseph. "Eusebius of Cæsarea." The Catholic Encyclopedia. Vol. 5. New York: Robert Appleton Company, 1909. Accessed October 4, 2008.
  13. Bradshaw, Rob, ed. "Eusebius of Caesarea." 08 de julho de 2008. Acessado em 04 de outubro de 2008.
  14. List of early Christian writers por Wikipedia

Ligações externas