Jesus refere-se à criação e ao dilúvio, como se fossem literais (Talk.Origins)

De CriaçãoWiki, a enciclopédia da ciência da criação.
Talkorigins.jpg
Artigo Resposta
Este artigo (Jesus refere-se à criação e ao dilúvio, como se fossem literais (Talk.Origins)) é uma resposta a uma réplica de uma reivindicação criacionista publicada pelo Talk.Origins Archive sob o título Index to Creationist Claims (Índice de Reivindicações Criacionistas).

Alegação CH102.2.1:

Jesus refere-se à criação e ao dilúvio, como se fossem literais, o que mostra que essas histórias foram, na verdade, literais.

Fonte: Morris, Henry M., 1974. Scientific Creationism, Arkansas: Master Books, p. 204,246,253-254.


Resposta da CreationWiki: (citações da Talk.Origins em azul)

1. Jesus estar se referindo a histórias tradicionais não significa que essas histórias foram literais. As pessoas hoje se referem ao "menino que gritou lobo" e "homens cegos examinando um elefante" e outras histórias da mesma maneira. No entanto, eles não consideram essas histórias como sendo literalmente verdade. Seu valor, e o valor das histórias que Jesus refere, está como histórias, e não como registro histórico.

O contexto das referẽncias de Jesus à criação e o dilúvio mostram que Ele estava se referindo a eles como história real. Este foi particularmente o caso onde Ele deu uma referência à Criação como base para o casamento, que não faz sentido a menos que fosse história literal. As pessoas podem se referir a eventos fictícios para ilustrar um ponto, mas não como base sobre a qual construir um argumento. Jesus estava fazendo o último.