Rodhocetus

De CriaçãoWiki, a enciclopédia da ciência da criação.
Rodhocetus
800px-Rodhocetus skull.jpg
Classificação Científica

[1]

Espécies
Pélvis, membro traseiro, e vértebras do Rodhocetus sp. no Field Museum of Natural History.

O Rodhocetus é um gênero taxonômico de baleias que tem a reputação pelos evolucionistas de ser uma forma transitória oferecendo prova de que as baleias evoluíram de mamíferos terrestres.[1] Duas espécies foram identificadas. A primeira espécie a ser descoberta foi a Rhodocetus kasrani em 1978 pelo paleontólogo Phil Gingerich.[2]. Os fósseis da espécie Rhodocetus balochensis foram descobertos depois no Baloquistão, Paquistão, por Philip Gingerich em 2001. Os evolucionistas datam o Rhodocetus no Eoceno médio entre cerca de 49 milhões de anos atrás e 39 milhões de anos atrás.[3].

Críticas

Considerando-se, por hipótese, que o Ambulocetus tenha vivido há cerca de 50 milhões atrás (Futuyma situa sua existência entre 48-47 milhões de anos atrás[3]), este período de tempo não poderia dar conta de mais de 1700 mutações entre as duas espécies o que seria um número muito aquém do necessário para a transição.[4] Outro problema é o tipo de alimentação de animais terrestres e baleias. Em busca de sua alimentação, baleias precisam estar equipadas para isso e o Rodhocetos não estava.[5] É preciso estar equipado para mergulhos profundos, poder realizar comunicação subaquática através de ondas sonora, para que as crias mamarem embaixo da água precisam ter poder de sucção suficiente e o surgimento destes equipamentos não está documentado.[6]

O equívoco evolucionista: a cauda do Rodhocetus

Concepção artística da cauda do Basilosaurus. A cauda do Rodhocetus era representada da mesma maneira, equivocadamente. A publicação da Academia Nacional de Ciências dos EUA exibe uma hipotética sequência evolutiva da baleia mostrando o Rodhocetus com uma cauda de cetáceo.[7]

Inicialmente as concepções do Rhodocetus o ilustravam como um cetáceo com pernas e uma cauda similar a de um golfinho ou ao Basilosaurus. A publicação da Academia Nacional de Ciências dos EUA ('National Academy of Sciences') Teaching about Evolution and the Nature of Science, dedicada à promoção da ciência e da tecnologia e da sua utilização para o bem-estar geral, ilustra em sua página 18 uma sequência hipotética de animais como alegação de que baleias evoluíram a partir de mamíferos terrestres. O Rodhocetus é representado com uma cauda similar a do Basilosaurus, animal que, segundo esta a publicação, seria o próximo animal na cadeia de evolução.[8]Dra. Annalisa Berta, Professora[nota 1] na Universidade de San Diego, declarou:

"O Rodhocetus...[estava] usando a barbatana caudal para a propulsão de água profunda e não usava as patas traseiras." (Dr. Annalisa Berta)[9][nota 2]

O Dr. Philip Gingerich afirmou em uma entrevista dada para a série de vídeo "Evolution: The Grand Experiment", conduzida em 28 de agosto de 2001 que:

"Eu especulei que poderia ter tido uma cauda bifurcada, agora eu duvido que Rodhocetus teria uma cauda bifurcada." (Dr. Philip Gingerich)[10][nota 3]
"Desde então, temos encontrado os membros anteriores, as mãos, e os braços da frente do Rodhocetus, e nós entendemos que ele não tem o tipo de braços que podem espalhar-se como nadadeiras como em uma baleia." (Dr. Philip Gingerich)[10]


Galeria

Ver também

Notas

  1. O cargo em inglês Professor não é o mesmo que teacher. Representa uma posição elevada na universidade.
  2. Entrevista da Dra. Annalisa Berta para a série de vídeo "Evolution: The Grand Experiment", conduzida em 16 de Fevereiro de 1998
  3. Entrevista do Dr. Philip Gingerich para a série de vídeo "Evolution: The Grand Experiment", conduzida em 28 de Agosto de 2001


Referências

  1. Sarfati, Jonathan; Matthews, Mike. Refuting Evolution 2. Green Forest, AR: Master Books, 2002. p. 135. ISBN 0-89051-387-2
  2. Bembry, R. Renee (19 de Novembro de 2007). A look at the evolution of whales. Página visitada em 2 de Setembro de 2012.
  3. 3,0 3,1 Futuyma, Douglas J.. Evolution. Sunderland, Massachusetts: Sinauer Associates, Inc, 2005. p. 78-79. ISBN 978-0-87893-187-3
  4. Sarfati, Jonathan. Refuting Evolution. Green Forest, AR: Master Books, 1999. p. 72. ISBN 0-89051-258-2
  5. Gish, Duane T. Evolution: the Fossils STILL say NO!. El Cajon, California: Institute for Creation Research, 1995. p. 204-206. ISBN 0-89051-112-8
  6. Johnson, Phillip E. Darwin on Trial. 2ª ed. Madison, WI: InterVarsity Press, 1993. p. 86-87. ISBN 0-8308-1324-1
  7. Teaching About Evolution and the Nature of Science p. 18. The National Academy Press (1998). Página visitada em 2 de Setembro de 2012.
  8. Working Group on Teaching Evolution, National Academy of Sciences. Teaching about Evolution and the Nature of Science. Washington, D.C.: National Academy Press, 1998. ISBN 0-309-06364-7
  9. Werner, Carl. Evolution: The Grand Experiment. Green Forest, AR: New Leaf Publishing Group/Audio Visual Consultants Inc., 2007. p. 139. ISBN 978-0-89221-681-9
  10. 10,0 10,1 Rodhocetus: Whale of a Tale. Página visitada em 3 de Setembro de 2012.

Ligações externas