Mutação

De CriaçãoWiki, a enciclopédia da ciência da criação.
(Redireccionado de Mutações)
Tipos de mutação

Uma mutação é qualquer alteração espontânea hereditária na sequência do ADN que contribui para a variabilidade genética. É o resultado de dois possíveis mecanismos.

  1. Acidentes celulares durante processos como a replicação, recombinação, ou transposição.
  2. Exposições a agentes mutagênicos estrangeiros, como produtos químicos ou raios ultra-violeta.

Se até mesmo um dos nucleotídeos em um gene é alterado para outro, então uma nova variação do alelo é adicionada à população, e um aminoácido diferente pode ser montado no elemento da proteína durante a expressão gênica.

Tipos

As mutações são classificadas como prejudiciais, benéficas ou neutras.

  • Prejudiciais - mudanças espontâneas aos genes irão processar proteínas disfuncionais, e podem conduzir a deformação física, cancro, ou a morte.
  • Benéficas - mutações capazes de produzir algum benefício podem teoricamente acontecer, mesmo que a proteína perca toda ou parte de sua função.
  • Neutras - mutação onde não há nenhum efeito (também conhecida como uma mutação silenciosa). Uma mutação neutra resulta ou de um códon que é traduzido no mesmo aminoácido durante a expressão genética, ou de um aminoácido substituído que não tem nenhum efeito sobre a função da proteína. A tabela seguinte mostra vários códons que são traduzidos cada um no mesmo aminoácido. Em cada caso, o terceiro nucleotídeo no códon seria uma mutação neutra, se mudasse.
Aminoácido Serina Leucina Prolina Arginina Treonina
Códon TCT CTT CCT CGT ACT
Códon TCC CTC CCC CGT ACC
Códon TCA CTA CCA CGT ACA
Códon TCG CTG CCG CGT ACG

Nova informação

É evidente que novos alelos de genes estão se acumulando nas populações de hoje, mas existem duas fontes possíveis para essas mudanças: mutações e modificações intencionais introduzidas por recombinação genética. A teoria da evolução atribui a produção continuada de diversidade genética às mutações, mas os evolucionistas negligenciam o fato de que a célula foi inteligentemente concebida. A maquinaria celular foi programada para executar um nível de auto-engenharia genética, e está sistematicamente editando genes de modo que os organismos podem se adaptar a uma grande variedade de condições ambientais.[1]

Os evolucionistas afirmam que a mutação, influenciada pela seleção natural, é o mecanismo para o avanço evolutivo. Embora esse mecanismo tenha o poder de alterar o genoma ao longo do tempo, a maior parte da evolução biológica se deve, na verdade, à recombinação genética seguida pela seleção natural. Há muitos exemplos apresentados por biólogos evolucionistas que tentam mostrar como novos genes foram introduzidos no genoma de um organismo. No entanto, na maioria dos casos documentados ela apenas ilustra o plasticidade embutida ou a variação dentro do tipo criado original. O mero embaralho de genes já existentes torna-se lamentavelmente inadequado, se a ciência observacional for seguida.

Apesar dos poucos exemplos de mutações genéticas benéficas, é irrealista assumir que esta informação produzida através da mudança de ADN já existente seria, então, submetida novamente muitas vezes mais por outras mutações relacionadas para construir estruturas radicalmente diferentes e complexas do que a que estava lá anteriormente. Isso quer dizer que as mutações não são meios razoáveis de se produzir alterações morfológicas em cascata de um tipo de animal para outro, mas meramente de produzir especiação.

Obviamente, as mutações podem realmente causar mudanças dramáticas no fenótipo por pressões ambientais. Muitas experiências têm sido realizadas na mosca da fruta (Drosophila), onde venenos e radiação induziram mutações. No entanto, o problema é que elas são sempre deletérias. Os experimentos da Drosophila mostraram um par extra de asas de uma mosca, mas estas eram um obstáculo para voar, porque não havia músculos que as acompanhassem. Portanto, essas moscas seriam eliminadas pela seleção natural. Mesmo no caso de mutações que podem alterar a quantidade de ADN possuída por um organismo, um aumento na quantidade de ADN não resulta em aumento de função. O biofísico Dr. Lee Spetner em seu livro, Not by Chance: Shattering the Modern Theory of Evolution, analisou exemplos de alterações mutacionais que os evolucionistas alegaram ter havido acréscimos em informação, e demonstrou que elas eram realmente exemplos de perda de especificidade, o que significa perda de informação.

Em toda a leitura que eu fiz na literatura das ciências biológicas, eu nunca encontrei uma mutação que acrescentasse informação. … Todas as mutações pontuais que têm sido estudadas no nível molecular acabam por reduzir a informação genética, e não aumentá-la." - Spetner

e

Vemos pois que a mutação reduz a especificidade da proteína do ribossoma, e isso significa uma perda de informação genética... Ao invés de dizer que a bactéria ganhou resistência ao antibiótico, é mais correto dizer que ela perdeu a sensibilidade a ele. ... Todas as mutações pontuais que têm sido estudadas no nível molecular acabam por reduzir a informação genética e não aumentá-la.
[2]

Georgia Purdom do AiG, Ph.D. em genética molecular, afirmou:

Mutações apenas alteram a informação genética atual; elas não foram nunca, nunca observadas adicionando informação genética; elas só podem mudar o que está lá. Eu tenho um monte de artigos chegando em minha mesa de supostamente mutações que adicionaram informação genética, e eu li todos eles, e olhei todos eles, e nunca vi nem uma vez uma que tenha adicionado informação genética; elas simplesmente não fazem isso.
[3][4]

Desafio matemático

As mutações tanto benéficas, negativas quanto neutras são casos raros. Elas acontecem, em média, cerca de uma vez em cada 10 milhões de duplicações da molécula de DNA (107, um número um seguido de 7 zeros). Para a evolução progredir, os organismos requerem que uma série de mutações relacionadas aconteçam. As chances de se conseguir duas mutações que estão relacionados umas às outras é o produto de suas probabilidades separadas. Se a cada 107 duplicações de ADN uma mutação ocorrer, a equação começaria a ter esta aparência: 107 x 107 ou 1014. O número um seguido por 14 zeros, uma centenas de trilhões. Mutações, estando relacionadas ou não, mal mudariam os tamanhos dos bicos dos tentilhões devido à seca, ou alterariam a forma de uma asa de mosca.

Quais são as chances de se conseguir três mutações relacionados? Isto é, uma vez mais tendo em conta a taxa de mutação do ADN duplicado, uma em um bilhão de trilhões ou 1021. De repente, o oceano não é suficientemente grande para conter bactérias suficientes para tornar essa chance muito provável. Você pode rapidamente dizer que, em apenas três mutações relacionadas via evolução, a mudança mutacional dependente, através da seleção natural como mecanismo para produzir informação verdadeiramente nova, é totalmente inadequada. [2] [3]

Carga de mutação

Embora mutações benéficas sejam teoricamente possíveis, a seleção natural não age no nível molecular, mas sim, funciona apenas no nível do organismo. Ela seleciona apenas as mutações que produzem uma alteração fisiológica, que altera a sobrevivência ou a taxa de reprodução do organismo. Como tal, para cada mutação benéfica rara que possa acontecer, um número incontável de mutações prejudiciais estão se acumulando no genoma do organismo - produzindo o que é conhecido como uma "carga de mutação".

O artigo de abril de 2007 da Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS) afirma que:

Nossos resultados teóricos indicam que um mutador de carona pode pôr em marcha uma perda de auto-reforço da fidelidade de replicação, mas a questão de como um processo tão robusto como a seleção natural poderia permitir que isso aconteça permanece. O fato chave é que a seleção natural, embora eminentemente robusta, é um processo de visão curta, que favorece as características com os benefícios imediatos de aptidão. O custo de aptidão do mutador de carona geralmente não é antecipado por causa do acúmulo lento de carga deletéria. Quando um mutador pega carona com uma nova mutação benéfica, um modelo simples mostra que o aumento da carga prejudicial devido ao mutador é de facto reprimido durante a propagação da mutação benéfica. De fato, o custo de aptidão total do mutador só é percebido bem após a mutação benéfica deixar de se espalhar (Texto SI). Um mutador pode, portanto, aproveitar o benefício imediato de produzir uma nova mutação benéfica, sem antecipar o eventual aumento da carga deletéria. Devido a este atraso no acúmulo de carga deletéria, a seleção natural pode conduzir a taxa de mutação até o ponto de não retorno, onde fMmMu2 torna-se o termo dominante (Fig. 4A); mesmo se o aumento na carga deletéria é letal, ele não se antecipa (Fig. 4B). Ao nível de população, essa falha em antecipar o estabelecimento de uma carga deletéria letal é em parte devido à nitidez do limiar que separa as taxas de mutação letais das viáveis (22, 24), de tal forma que não há uma diminuição lenta da aptidão para "avisar" da iminente extinção. [4]

Referências

  1. Genetic Variability by Design por Chris Ashcraft. Journal of Creation 18(2) 2004.
  2. Mathematical Challenges to the Neo-Darwinian Interpretation of Evolution por Paul S. Moorhead, Martin M. Kaplan; Wistar Institute Symposium; Science Vol. 160. no. 3826, p. 408, 1967
  3. Dr. Gary Parker. Creation: Facts of Life [1]
  4. Complete genetic linkage can subvert natural selection por Philip J. Gerrish, Alexandre Colato, Alan S. Perelson, e Paul D. Sniegowski, Proceedings of the National Academy of Sciences USA, publicado on-line antes da impressão em 03 de abril de 2007

Ligações externas

Criacionistas

Seculares