Adaptação

De CriaçãoWiki, a enciclopédia da ciência da criação.
Husky Siberiano: Huskies retêm o calor por constrição dos vasos sangüíneos nas pernas. Essa é uma adaptação para o Ártico congelado onde as temperaturas podem ir abaixo de -50o F.[1]

Adaptação é uma modificação de um organismo ou de suas partes que faz com que ele seja mais apto para a existência nas condições do seu ambiente. Adaptação refere-se às propriedades de organismos vivos que lhes permitam sobreviver e se reproduzir na natureza.[2] A palavra "adaptação" em fisiologia é usada com frequência para descrever o ajuste fenotípico de um organismo individual com relação ao seu ambiente.[3] Tem sido observado que a vida "sempre" se adapta ao espaço circundante através de mutação. Pois ou a vida que existe se adapta, ou morre. Entre os organismos vivos, a adaptação é frequentemente causada por redução de informação no genoma.[4] De acordo com o biólogo evolucionista Douglas Futuyma, adaptações são "características que parecem 'projetadas' para ajustar os organismos ao seu meio ambiente".[5]

Seleção Natural e Adaptação

A seleção natural também é conhecida como a sobrevivência do mais apto. É um efeito observável da natureza e é considerado um mecanismo verificável responsável pela evolução biológica. Adaptação e seleção natural são fatos biológicos, contudo, a evolução de ameba-a-homem não é.[6] O limite natural na quantidade de variação que pode ocorrer em uma espécie é uma expressão do fato de que em nenhuma parte há uma plasticidade biológica infinita que possa aguentar uma adaptação ilimitada a diferentes ambientes.[7]

Traços são encontrados existindo dentro de uma população em uma variedade de formas, e essas diferenças vão proporcionar aos indivíduos uma chance maior ou menor de sucesso. Se a característica é benéfica para o organismo, então os seus genes serão passados ​​para a próxima geração em uma frequência mais elevada, ou vice-versa, se for prejudicial. Isso é dito ser a "seleção natural" de um traço.

Referências

  1. Simmons, Geoffrey. Billions of Missing Links. Eugene, Oregon: Harvest House Publishers, 2007. p. 182. ISBN 978-0-7369-1746-9
  2. Ridley, Mark. Evolution. 3ª ed. Malden, MA: Blackwell Publishing, 2004. p. 5-6. ISBN 1-4051-0345-0
  3. Futuyma, Douglas J. Evolutionary Biology. 2ª ed. Sunderland, Massachusetts: Sinauer associates, Inc., 1986. p. 251. ISBN 0-87893-188-0
  4. Spetner, Lee M. Not by Chance!. Brooklyn, New York: The Judaica Press, 1998. p. 127. ISBN 1-880582-24-4
  5. Futuyma, Douglas J.. Evolution. Sunderland, Massachusetts: Sinauer Associates, Inc, 2005. p. 8. ISBN 978-0-87893-187-3
  6. Sarfati, Jonathan. By Design. Austrália: Creation Book Publishers, 2008. p. 207. ISBN 978-0-949906-72-4
  7. Milton, Richard. Shattering the Myths of Darwinism. Rochester, Vermont: Park Street Press, 1997. p. 137. ISBN 0-89281-884-0

Ligações externas

Ver também