A evolução de um único ancestral está desacreditada (Talk.Origins)

De CriaçãoWiki, a enciclopédia da ciência da criação.
Talkorigins.jpg
Artigo Resposta
Este artigo (A evolução de um único ancestral está desacreditada (Talk.Origins)) é uma resposta a uma réplica de uma reivindicação criacionista publicada pelo Talk.Origins Archive sob o título Index to Creationist Claims (Índice de Reivindicações Criacionistas).


Alegação CB822:

De acordo com a teoria da evolução, a vida evoluiu com diferentes formas de ramificação de um ancestral comum. Trabalho científico recente contradiz essa expectativa. Os dados moleculares indicam que a árvore da vida deve ser arrancada e desacredita o conceito de homologia.

Fonte:

Resposta da CreationWiki:

(citações da Talk.Origins em azul)

1. A afirmação refere-se a resultados que indicam que a transferência horizontal de genes era comum na vida muito primitiva. Em outras palavras, a informação genética não era herdada apenas de um antepassado imediato; alguma informação foi obtida a partir de organismos completamente diferentes, também. Como resultado, a árvore da vida não provém de um único tronco, mas a partir de uma coleção reticulada de hastes. Isto não invalida a teoria da evolução, no entanto. Ela diz apenas que um outro mecanismo da hereditariedade era uma vez mais comum.

2. A transferência horizontal de genes não invalida a filogenética. A transferência horizontal de genes não é um fator importante que afeta a vida moderna, incluindo toda a vida macroscópica: "Embora a TLG ocorra com consequências evolutivas importantes as linhagens darwinistas clássicas parecem ser o modo dominante da evolução para organismos modernos". E ainda é possível calcular filogenias ao tomar a transferência horizontal de genes em conta.

Tudo o que a Talk Origins tem feito aqui é provar que a idéia de um único ancestral comum para toda a vida na Terra é um conceito infalsificável e, portanto, não científico. Eles fizeram isso, demonstrando que qualquer prova em contrário é apenas explicada de outra forma, tornando-se, assim, um artigo não testável da fé, e não ciência.