Stephen Meyer

De CriaçãoWiki, a enciclopédia da ciência da criação.
Stephen Meyer.jpg

Stephen C. Meyer (nascido em Nascido::1958) é um renomado advogado do Design inteligente (a afirmação de que o universo e todos os seres vivos foram criados por uma fonte inteligente). Ele é atualmente o diretor, um dos fundadores do Center for Science and Culture (CSC) no Discovery Institute e também um dos fundadores do movimento do Design Inteligente. Em 2009, ele escreveu o livro Signature in the Cell: DNA and the Evidence for Intelligent Design, contribuindo ainda mais para suas muitas outras publicações e artigos.[1]

Informação de contato

Nome: Stephen C. Meyer
Email: cscinfo@discovery.org
ou visite [1]

Educação

Em 1981, Meyer formou-se pelo Whitworth College em Spokane, Washington, com um grau de física e Ciências da Terra. Ele se tornou um geofísico da Atlantic Richfield Company (ARCO) em Dallas, no Texas. Na ARCO, ele trabalhou com processamento de sinais digitais e interpretação sísmica.[1] Meyer é agora um Professor Associado no Whitworth College. Ele é o recipiente do International Scholarship, do American Friends of Cambridge Scholarship, e uma outorga do Templeton Foundation science-religion teaching. Em 1991, Meyer obteve seu PhD em História e Filosofia da Ciência na Cambridge University. Sua dissertação foi sobre a biologia da origem da vida e a metodologia das ciências históricas.

Carreira

Dr. Stephen Meyer já apareceu em vários programas de televisão americanos, como Freedom Speaks and TechnoPolitics na PBS e Hardball com Chris Matthews na CNBC. Meyer Também escreveu artigos e editoriais no The Wall Street Journal, The Los Angeles Times, The Chicago Tribune, e no the National Review. Os seguintes são alguns dos livros científicos e antologias onde ele apresentou artigos:

Em 2009, o livro de Meyer Signature in the Cell: DNA and the Evidence for Intelligent Design esteve presente na Top Ten Best Sellers List (lista de 10 melhores vendedores) na Amazon.com e, curiosamente, coincidiu com o próprio Best Seller de Darwin, The Origin of Species, que foi lançado 150 anos atrás. Apesar das tentativas evolucionistas de parar os debates sobre a teoria da evolução de Darwin o livro de Meyer tem provocado alterações, impressionando muitos largamente. Diretor de comunicações do Center for Science and Culture no Discovery Institute, Robert Crowther, diz que, embora a teoria de Darwin foi considerada ser a explicação principal para a origem da vida, novos argumentos foram trazidos neste livro que, mais uma vez desafiam a evolução com forte evidência. Signature in the Cell trata dos códigos complexos digitais no ADN e como ele indica um projetista inteligente. Além disso, Meyer aborda a questão mais importante de todas: o início da vida aqui na Terra. [3]

Stephen Meyer foi premiado com honra na prestigiada World Magazine por sua luta para mostrar que todas as vidas têm valor eterno, porque elas são a obra de um Criador, e não o produto do acaso. [4]

Cosmovisões

Meyer, juntamente com muitos outros cientistas, foi perseguido por sua crença no Design Inteligente. Ele argumenta que o caso que a seleção natural não poderia ter desempenhado um papel na origem da vida, simplesmente devido ao fato de que todos os seres vivos no mundo são tão complexos e intrincados, apontando para a presença de um projetista inteligente (designer inteligente). Durante uma turnê do livro, no outono de 2009, o Dr. Stephen Meyer desafiou o proeminente evolucionista Richard Dawkins para um debate ao perceber que seus caminhos se cruzavam tanto em Seattle quanto em Nova York. Estranhamente, Dawkins se recusou a falar com Meyer e em vez disso, transmitiu a sua mensagem para seus publicistas, negando o convite porque não debate com criacionistas. É observado que este tipo de incidente poderia ser melhor descrito como um ato de Bulverismo. Bulverismo é definido como quando alguém acusa uma parte de estar errada e então passa a explicar o por que. C.S. Lewis foi o primeiro a trazer este termo à luz:

"Em outras palavras, você deve mostrar que um homem está errado antes de começar a explicar porque ele está errado. O método moderno é assumir sem discussão que ele está errado e então distrair sua atenção disso (a única questão real) diligentemente explicando como ele passou a ser tão tolo. No curso dos últimos quinze anos eu encontrei este vício tão comum que eu tive que inventar um nome para ele. Eu chamo-lhe 'Bulverismo.'" [5]

Ao olhar para os efeitos que a evolução teve sobre a cultura americana, Meyer afirma que americanos desenvolveram uma visão de mundo materialista. Os americanos concentraram-se em materiais em geral, mas também tem desenvolvido uma visão superficial das coisas de Deus. Os americanos podem ser facilmente influenciados pela sociedade e suas pressões. Mesmo a moral que os pais fundadores dos Estados Unidos tão desesperadamente defenderam há muito tempo foram derrubados pelas necessidades de consumo. Hoje em dia, a moralidade é julgada com base na percepção da própria pessoa de certo e errado. Com isso, como os americanos podem esperar viver em tempos de paz? Quem pode dizer que o que uma pessoa acha que é certo não é necessariamente certo para alguém? Se todos ao redor fossem projetar suas próprias crenças sobre os outros, haveria o caos. [6] Stephen Meyer explica melhor: "Permanece o fato de que a visão materialista é uma visão truncada da realidade." [7]

Publicações

Livros

Artigos

Videos

  • Return of the God Hypothesis - Stephen C. Meyer, PhD .

Referências

  1. 1,0 1,1 Biography Signature in the Cell.
  2. Stephen C. Meyer Access Research Network.
  3. Intelligent Design Book Delivers Blow To Darwin; Cracks Amazon.com Bestseller List in Science Center for Science and Culture. Discovery Institute.
  4. 2009 Daniel of the Year World Magazine Vol. 24, No. 25. 19 de dezembro de 2009.
  5. Stephen C. Meyer asks Richard Dawkins to Debate, Dawkins Refuses by Clive Hayden. Uncommon Descent. (7 de outubro de 2009)
  6. Dr. Stephen Meyer, Discovery Institute por Kim Trobee na Angelican Mainstream.
  7. All Quotes by Stephen Meyer Quotes Daddy.

Ligações externas