Raymond Damadian

De CriaçãoWiki, a enciclopédia da ciência da criação.

Raymond Vahan Damadian, nascido em Nascido::Março 16, 1936 em Melville, New York. Ele entrou na University of Wisconsin aos 16 anos, obtendo o seu bacharelado em matemática em 1956. Em seguida, ele se formou em medicina pelo Albert Einstein College of Medicine em 1960. Depois de um ano de residência no Kings County Hospital em New York, ele serviu como bolsista pela primeira vez em Nefrologia na Washington University School of Medicine em St Louis, em seguida, em Biofísica na Harvard. Ele também estudou Química fisiológica na School of Aerospace Medicine. Finalmente, o Dr. Damadian juntou-se ao corpo docente da State University of New York, tornando-se o professor de biofísica e medicina interna.

Dr. Damadian é um forte cristão, e firme crente na criação. Em entrevista à Creation magazine, ele afirmou que;

a aceitação da Palavra de Deus sem ressalvas tem sido a base para a civilização ocidental desde a impressão da Bíblia de Gutenberg, no século XV. [1]
Patente dos EUA de Damadian depositada em 17 de março de 1972.

Experimentação com tumores

Em 1969, o Dr. Damadian começou a experimentar com um espectrômetro de ressonância magnética nuclear. Ele descobriu que os tumores respondiam de forma diferente à máquina do que faziam os tecidos normais e saudáveis. Em 1971 ele publicou suas descobertas na revista Science, e começou a trabalhar em uma máquina grande o suficiente para fazer a varredura de um corpo humano. Infelizmente, assim como muitos de seus concorrentes. Seis anos extenuantes mais tarde, a equipe do Dr. Damadian fez a primeira varredura humana bem sucedida. Durante os próximos anos, o Dr. Damadian ingressou ações trabalhistas contra as empresas internacionais que estavam implementando suas idéias patenteadas para seu próprio lucro; algumas ele ganhou, outras ele perdeu.

Em 1997, a Suprema Corte dos Estados Unidos afirmou que a pesquisa de Damadian foi a base para a moderna máquina de Imagem por Ressonância Magnética (IRM). Todavia, o Prêmio Nobel foi atribuído a Paul Lauterbur e Sir Peter Mansfield, em 2003, pelo seu trabalho posterior com o IRM. Muitos dos apoiadores de Damadian sentiram que ele foi ignorado por causa de sua posição como um criacionista da terra jovem. Uma admissão deste ato potencial de discriminação pode ser encontrada na edição de dezembro de 2003 na Smithsonian Magazine[2];

Mas é difícil não considerar pelo menos outra explicação: que os cientistas na assembléia ou em outras posições de influência não poderiam suportar dar apoio incondicional para a "ciência criacionista" de Damadian. Damadian é um firme crente em uma tradução literal da Bíblia: ele não tem dúvida de que a Terra foi criada por Deus durante um trecho de seis dias cerca de 6.000 anos atrás. Damadian também serviu como um conselheiro técnico para o Institute for Creation Research, que rejeita o modelo padrão de evolução."O relato não-bíblico quer nos fazer acreditar que toda a vida se originou a partir de um único ancestral comum—um bolor de lodo—e levou ou tomou um bilhão de anos; espera-se que acreditemos que os descendentes desse bolor de lodo sairam do mar e levantaram-se e começaram a dar palestras," diz Damadian. "Faça a matemática com isso. As estatísticas absolutas violam qualquer senso de realidade."

Os céticos, Por outro lado, argumentam que o prêmio foi para a Imagem por Ressonância Magnética Nuclear, um aspecto que Damadian não desenvolveu (embora sem a sua pesquisa anterior, não haveria maneira de obter uma imagem).

Publicações

Ligações externas

Criacionistas

Seculares