Dinossauro

De CriaçãoWiki, a enciclopédia da ciência da criação.
Dinossauro
Dinosaurs.jpg
Classificação Científica
Classificação
Dino family tree.jpg
Famílias

Ordem Ornithischia (pélvis de pássaro)
Subordem: Thyreophora (dinossauros portadores de escudo)

Infraordem: Ankylosauria
* Ankylosauridae
* Nodosauridae
* Scelidosauridae
Infraordem: Stegosauria
* Huayangosauridae
* Stegosauridae

Subordem Cerapoda:

Infraordem: Ceratopsia
* Ceratopsidae (dinossauros com chifres)
* Chaoyangsauridae
* Psittacosauridae
* Neoceratopsia
Infraordem: Ornithopoda (pés de pássaro)
* Hypsilophodontidae
* Iguanodontidae
* Hadrosauridae (dinossauros bico de pato)
Infraordem: Pachycephalosauria
* Pachycephalosauridae
* Goyocephala [1]
Famílias

Ordem Saurischia (pélvis de lagarto)
Subordem Sauropodomorpha

Infraordem Sauropoda

Subordem Theropoda

Infraordem Prosauropoda

Dinossauros são um grupo diversificado de répteis extintos, mais conhecido por algumas espécies que atingiam tamanhos enormes. Foram incluídos ambos os carnívoros (comedores de carne), tais como os monstruosos alossauros que atingiam 12 metros (40 pés). O nome "dinossauro" significa lagarto terrível, e foi cunhado em 1842 pelo paleontólogo criacionista Richard Owen a partir das palavras do grego: δεινός, deinos ("terrível") e σαῦρος, sauros ("lagarto").[2]

Os dinossauros são encontrados em abundância no registro fóssil, devido ao tamanho e durabilidade de seus ossos. A maioria dos cientistas criacionistas interpreta a existência de tais fósseis dizendo que os organismos estavam vivos no momento do dilúvio global, que é descrito no livro bíblico do Gênesis. Além disso, uma vez que o texto diz que todos os animais terrestres foram colocadas na arca de Noé, se correto, os dinossauros também foram incluídos no seu número, e extinguiram-se muito recentemente.

Em contraste com a cosmovisão bíblica, a interpretação naturalista da história da Terra afirma que os dinossauros dominaram a Terra há mais de 100 milhões de anos, e foram extintos cerca de 65 milhões de anos atrás, cerca de 55 milhões de anos antes dos primeiros seres humanos aparecerem na Terra.

Classificação

Os dinossauros são um grupo de antigos répteis que tinha um conjunto de determinadas características do esqueleto. Os quadris, patas traseiras, e tornozelos eram especializados e permitiam que as pernas passassem diretamente debaixo do corpo, em vez de se estender para fora a partir do lado do corpo, como nos lagartos modernos. Este arranjo habilitou os dinossauros a trazer os seus joelhos e tornozelos diretamente abaixo dos quadris e forneceu os anexos necessários para terem músculos das pernas muito fortes. Esqueletos de dinossauros foram bem projetados para suportar um corpo grande, para andarem eretos (na vertical), e para correr. As patas dianteiras foram adaptadas para agarrar a presa, para suportar o peso, ou para caminhar e correr. Os crânios de dinossauros foram projetados para a força máxima, com peso mínimo, e (em alguns casos) para agarrar, segurar, ou rasgar a presa. Estas características do esqueleto distinguem os dinossauros de outros répteis antigos tais como o dimetrodonte, os plesiossauros, e os pterossauros. Fósseis de mamíferos, como os mamutes e os "tigres dente de sabre" (por exemplo, o Smilodon), também são muitas vezes incorretamente chamados de dinossauros.[3]

Os dinossauros são divididos em duas ordens, a Saurischia e a Ornithischia, com base na sua estrutura do quadril. A saurischia (do grego que significa "quadril de lagarto") incluem todos os terópodes (carnívoros bípedes) e saurópodes (herbívoros de pescoço longo). A ornithischia (do grego que significa "quadril de pássaro") é a outra ordem de Dinosauria, a maioria dos quais eram quadrúpedes herbívoros.

Ponto de Vista Criacionista

Os criacionistas da terra jovem acreditam que a maioria dos estratos de rocha contendo fósseis foram formados durante o dilúvio global bíblico.[4] Isto segue, logicamente, que os animais fossilizados como dinossauros viveram recentemente e conviveram com a humanidade na Terra antes do dilúvio. É, além disso, presumido que os dinossauros, juntamente com todos os outros tipos de animais terrestres, foram levados a bordo da arca de Noé e reintroduzidos após o dilúvio. Se esta visão bíblica é verdadeira, esses animais extraordinários podem ter sido familiares a muitas civilizações humanas e documentados na história e na lenda.

Evidências para apoiar esta visão incluem:

  1. A Bíblia declara especificamente que um casal reprodutor de cada tipo de animal chegou à arca.
  2. O registro fóssil é preenchido com os cadáveres de dinossauros que foram enterrados durante o dilúvio.
  3. A abundante evidência física de existência recente de dinossauros.
Parte do Mosaico do Nilo da Palestrina mostrando humanos caçando dinossauros. Cerca de 100 aC.

Há muitas evidências de que os dinossauros viveram há muito pouco tempo e eram conhecidos pelos primeiros seres humanos. Inúmeras pinturas e esculturas foram encontradas ilustrando o conhecimento de primeira mão dessas criaturas por várias culturas ao redor do mundo.[5][6][7] Pegadas de dinossaurosforam encontradas ao lado do que pode ser uma faixa de pegadas humanas.[8] Foram descobertos ossos de dinossauro que estão não fossilizados, ainda com os tecidos moles, indicando um sepultamento recente.

Contos de dragões podem ser relatos de avistamentos antigos de dinossauros. No entanto, relatos históricos de dinossauros do tamanho de animais estão sendo descartados como mitológicos porque estes animais se presumem ter sido extintos milhões de anos atrás. Usamos "Dinosauro" em referência a um grupo de grandes répteis semelhantes a animais previamente identificados como "dragões". Talvez os dinossauros tenham conseguido sobreviver ao dilúvio global, mas não puderam sobreviver à humanidade.[9]

A enciclopédia The World Book Encyclopedia afirma que: "Os dragões da lenda são estranhamente parecidas com criaturas reais que viveram no passado. Eles são muito parecidos com os grandes répteis [dinossauros] que habitaram a Terra muito antes do homem supostamente aparecer na terra. Os dragões eram geralmente maus e destrutivos. Cada país os tinha em sua mitologia."[8]

Referências bíblicas

Há descrições gráficas de animais na Bíblia que podem ser dinossauros. O Beemonte é descrito como um animal terrestre imenso que é considerado por alguns como um Saurópode.[10] O Leviatã, por outro lado, é retratado como um terrível monstro marinho cuspidor de fogo que alguns têm sugerido pode ser um kronossauro. No entanto, mais recentemente, o SuperCrocodilo (Sarcosuchus) foi apresentado como o candidato mais provável para o Leviatã.[11]

Vivos

Inúmeras pessoas relataram ter visto criaturas do tamanho de dinossauros em regiões não habitadas, como as selvas da República do Congo, na região central da África ocidental. Apesar desses relatos permanecerem não confirmados, a possibilidade de sua existência não deve ser descartada.[12] Muitos também acreditam que plesiossauros e pterossauros podem ainda estar vivos hoje em áreas remotas.

Também deve ser considerado provável que muitos répteis modernos são parentes distantes das variedades maiores encontradas no registro fóssil. Embora muitos dinossauros estejam realmente extintos, é certo que, se permitido viver como antes do dilúvio, os répteis modernos poderiam atingir tamanhos muito maiores e se assemelhar a seus antepassados ​​encontrados em formas fósseis.

Extinção

Acredita-se que os dinossauros foram extintos há cerca de 65 milhões de anos atrás, cerca de 55 milhões de anos antes de os primeiros seres humanos terem aparecido na terra. Apesar de haver numerosas teorias sobre a causa de extinção dos dinossauros, a mais comum, chamada "Teoria do Grande Impacto" afirma que o impacto de um meteoro ou asteróide gigante foi responsável, devido às mudanças resultantes causadas no clima. Os cientistas criacionistas, entretanto, rejeitam esta teoria citando múltiplos problemas.[13]

John Leo afirmou que uma das manchetes mais comuns em ciência é: "Nova Teoria de Extinção dos Dinossauros". Ele afirmou ainda que "Não importa como você pensa que os cansativos répteis gigantes morreram todos, sempre acontece depois que eles provavelmente morreram de alguma outra forma." Os criacionistas afirmam que os evolucionistas estão freqüentemente aparecendo com novas teorias que estão cheias de pressuposições falsas.[14]

Baseado no relato da história do livro bíblico do Gênesis, os criacionistas generalmente crêem que os dinossauros sobreviveram ao dilúvio de Noé e habitaram a terra ao mesmo tempo que a humanidade, por um certo período.[15] Se isto estiver correto, a contribuição dos seres humanos para extinção dos dinossauros deve ser considerada. Os seres humanos têm um instinto natural para matar qualquer animal que tenha uma imposição ameaçadadora, e os répteis de qualquer tamanho significativo são tipicamente mortos quando próximos de habitats humanos. Grandes répteis, do tamanho de dinossauros, seriam certamente percebidos como uma ameaça e caçados por humanos que possuíem habilidades de caça.[16]

Evolução

Um Deinonico plumado na exibição do Musel Real de Ontário.

Os evolucionistas crêem que os pássaros são descendentes modernos de antigos répteis.[17][18] Muitos diriam que de fato os dinossauros não foram extintos, eles simplesmente evoluíram para pássaros. Os cientistas criacionistas questionam esta afirmação dizendo que a teoria carece de qualquer apoio científico concreto.[19][20] A ausência de evidência de base é aparentemente confirmada pela World Book Encyclopedia onlne que declara: "Nenhum fóssil de nenhum réptil semelhante a pássaro como este foi encontrado até o momento." [1]. O cientista criacionista Dr. Jonathan Sarfati escreveu o seguinte a respeito dos pássaros serem descendentes dos dinossauros:

A mesma lógica se aplica ao debate dinossauro-pássaro. É perfeitamente adequado para os criacionistas citar a crítica devastadora de Feduccia contra a idéia de que os pássaros evoluíram ‘de baixo para cima’ a partir dos dinossauros corredores (a teoria cursorial). Mas os defensores do dinossaura-para-pássaro contra-argumentam com argumentos igualmente poderosos contra a teoria ‘descendo as árvores’ de Feduccia (arbórea). A evidência indica que os críticos estão ambos certos — os pássaros não evoluíram nem dos dinossauros corredores, nem dos mini-crocodilos habitantes das árvores. De fato, os pássaros não evoluíram dos não-passaros de forma nenhuma!

[2]

Até mesmo Ernst Mayr, que alguns proclamam como pai da biologia evolucionária moderna, declarou o seguinte com respeito à origem das penas em 1942: "Deve-se admitir, porém, que é um esforço considerável de credulidade assumir que sistemas precisamente balanceados como certos órgãos dos sentidos (o olho dos vertebrados, ou a pena dos pássaros) poderiam ser aperfeiçoados por mutações ao acaso." [3]

A revista Scientific American faz uma admissão semelhante na sua edição de março de 2003 [4][5]:

De todas as coberturas corporais que a natureza projetou, as penas são as mais variadas e a mais misteriosas... A origem das penas é um caso específico da questão muito maior sobre a origem das novidades evolucionárias -- estruturas que não têm antecedentes claros em animais ancestrais e nenhuma estrutura claramente relacionada a elas (homólogas) em parentes contemporâneos. Apesar de a teoria evolucionista oferecer uma explicação robusta para o surgimento de variações pequenas em tamanho e forma, das crituras e das partes que a compõem, ela ainda não nos muita orientação para compreender a emergência de estruturas inteiramente novas, incluindo dedos, membros, olhos e penas.

A maior parte dos cientistas evolucionistas crê que os dinossauros evoluíram a partir de uma população de aspecto semelhante aos dinossauros, que foi rapidamente substituída pelos mais evoluídos “lagartos terríveis”. Porém, a evidência mostra que, assumindo-se uma terra antiga, eles coexistiram por cerca de 20 milhões de anos. Isto claramente obscurece a escala de tempo evolucionária e está de acordo com a geologia do Dilúvio. (Irmis, Nesbit, Padian et al; 2007)

FAQs

  • Os dinossauros poderiam realmente caber na arca de Noé?

A descrição bíblica da Arca de Noé declara que ela tinha tamanho suficiente para acomodar mesmo os maiores espécimes de dinossauros (140m de comprimento / 20m de largura / 15m de altura). Entretanto, é lógico que as variedades mais jovens e menores seriam levadas a bordo da arca para preservar a sua espécie do dilúvio. Também pode-se argumentar que muitos destes "lagartos terríveis" eram simplesmente muito mais velhos que as variedades modernas. Os réptes crescem continuamente enquanto vivem, enquanto os mamíferos e outros vertebrados terrestres param de crescer ao atingir seu período de adolescência.

  • Por que os répteis eram maiores antes do dilúvio?

O mundo antediluviano era bem diferente do mundo de hoje. Considere a longevidade dos seres humanos antes do dilúvio. Paul Abrahamson disse: "Se os humanos viviam por 900 anos ou mais, por quanto tempo viviam e cresciam os répteis? Isto não explicaria melhor os enormes ossos de dinossauros encontrados pelos arqueólogos? "[21]

Notícias

Réplica de ovos de dinossauros

Referências

  1. Ornithischia na Wikispecies
  2. In: Paul, Gregory S. The Scientific American Book of Dinosaurs: The Best Minds in Paleontology Create a Portrait of the Prehistoric Era (em inglês). New York: Byron Preiss Visual Publications/St. Martins Griffin, 2000. p. 140. ISBN 0-312-31008-0
  3. Are all fossil animals dinosaurs?by the U.S. Geological Survey.
  4. Gish, Duane T. In: Clanin, Gloria. Dinosaurs by Design. Green Forest, AR: Master Books, 1992. p. 9. ISBN 0-89051-165-9
  5. Doheny Expedition: Relatório principal a partir de descobertas relacionadas ao Homem pré-histórico. A expedição científica Doheny para o cânion Hava Supai, Norte do Arizona. 1924.
  6. The Hava Supai Dinosaur Carving by Wayne Jackson. Christian Courier, Accessed July 14, 2010.
  7. Man and Dinosaur Co-existence by OOPARTS & ANCIENT HIGH TECHNOLOGY
  8. 8,0 8,1 What about the Dinosaurs? by Dr. Walt Brown. In the Beginning: Compelling Evidence for Creation and the Flood, 8th Edition (2008)
  9. Dinosaurs and dragons: stamping on the legends by Russell Grigg. Creation 7(3):18–19. June 1985
  10. Steel, Allan K.. (2001). "Could Behemoth have been a dinosaur?". Journal of Creation 15 (2): 42–45.
  11. Booker, Peter. (2005). "A new candidate for Leviathan?". Journal of Creation 19 (2): 14-16.
  12. Robert Doolan. (1993). "Are dinosaurs alive today?". Creation 15 (4) pp. 12–15.
  13. Did a meteor wipe out the dinosaurs? What about the iridium layer? (Um meteoro eliminou os dinossauros? E a camada de irídio?) por Jonathan Sarfati, Ph.D. (2001)
  14. Dinosaur demise theory, version #451 (Teoria do desaparecimento dos dinossauros, versão 451) por Michael Matthews, AiG-US. 15 de novembro de 2002.
  15. Get Answers: Dinosaurs por Answers in Genesis (Respostas em Gênesis).
  16. Dinosaurs and dragons: stamping on the legends (Dinossauros e dragões: caminhando nas lendas) por Russell Grigg. Creation 14(3):10–14 junho de 1992
  17. Shipman, Pat. Taking Wing:Archaeopteryx and the Evolution of Bird Flight (em inglês). New York: A Touchstone Book/Simon & Schuster, 1998. p. 13-14;25-26. ISBN 0-684-84965-8
  18. Sloan, Christopher. Feathered Dinosaurs (em inglês). Washington, D.C.: National Geographic Society, 2000. p. 4. ISBN 0-7922-7219-6
  19. Vertebrates: animals with backbones pelo Dr. Gary Parker. Creation: Facts of Life Chapter 3: The fossil evidence
  20. 100 years of airplanes—but these weren’t the first flying machines! por Andy McIntosh. Creation 26(1):44–48, decembro de 2003.
  21. Abrahamson, Paul (1998-1999). "A Defense of Creationism." Creationism.org.

Ligações Externas

Criacionistas

Seculares

Creationwiki pool logo.png
A Mídiateca da CriaçãoWiki tem mídia relacionada a
Dinosaurs

Galeria