Éris

De CriaçãoWiki, a enciclopédia da ciência da criação.
(Redireccionado de Eris)
Translation Latin Alphabet.png
Este artigo ou secção está a ser traduzido. Ajude e colabore com a tradução.
Translation Latin Alphabet.png
Este artigo ou secção está a ser traduzido. Ajude e colabore com a tradução.
Éris
Eris and Dysnomia.jpg
Data do descobrimento Data do descobrimento::21 Outubro, 2003[1]
Nome do descobridor Descobridor::Michael E. Brown[1][2][3]
Origem do nome Origem do nome::Deusa grega da discórdia[2]
Características orbitais
Classe celestial Membro da::Lua
Primário Primário::Sol
Ordem a partir do primário Ordem::11
Periélio Periápside::37.93 UA[4]
Afélio Apoápside::97.53 UA[4]
Semieixo maior Semieixo maior::67.732 UA[4]
Previsão de Titius-Bode Previsão de Titius-Bode::154 UA[5]
Excentricidade orbital Excentricidade orbital::0.4400[4]
Ano sideral Período sideral::557.4 a[4]
Velocidade orbital média Velocidade orbital::3.436 km/s
Inclinação Inclinação::44.1595° para à eclíptica[4]
Características rotacionais
Dia sideral Dia sideral::8 h
Características físicas
Massa 1.66 * 1022 kg[4][6][7]
Densidade média Densidade do planeta::2,260 kg/m³[4]
Raio médio Raio médio::1,300 km[8]
Gravidade de superfície Gravidade de superfície::0.6554 m/s²[5]
Velocidade de escape Velocidade de escape::1.305 km/s[5]
Área de superfície Área de superfície de um planeta anão::21,237,166 km²[5]
Temperatura mínima Temperatura mínima::30 K
Temperatura média Temperatura média::42.5 K
Temperatura máxima Temperatura máxima::55 K
Número de luas Satélites::1
Cor Cor::#FFFFFF
Albedo Albedo::0.87[4]

Éris, apelido Xena, apelido 2003 UB313, designação de planeta-menor 136199 Eris, o maior de todos planetas anão, tem o nome da deusa grega da discórdia. Considerando o debate que a descoberta deste objeto provocou, o nome é provavelmente muito apto.

Descoberta, Nomenclatura, e Debate

Eris foi fotografado pela primeira vez em 21 de outubro de 2003, mas estava inicialmente demasiado lento para que o software de imagem analítica do observatório Palomar pudesse detectar. Posteriormente, Michael E. Brown, descobridor::Chad Trujillo, e descobridor::David Rabinowitz ordenaram uma re-análise das imagens com maior sensibilidade. Eles logo perceberam que as imagens mostravam um novo objeto, e anunciaram seus resultados em 5 de janeiro de 2005.

O nome inicial para o novo objeto era Xena, o personagem-título em uma série de televisão de ação-aventura dramática americana,[9] e também um nome começando com X, de acordo com a suspeita de que este objeto era o há muito procurado "Planeta X." O novo objeto também tinha um satélite, que os descobridores tentaram nomear Gabrielle, em homenagem ao personagem coadjuvante nessa série dramática.

O anúncio da descoberta de Eris em 29 de julho de 2005 apresentou a International Astronomical Union com um problema embaraçoso.[10] Outras observações, especificamente das características orbitais e do período do satélite,[11][12] já tinham sugerido que o 2003 UB313 poderia ser mais massivo até mesmo que Plutão, então considerado o nono planeta no sistema solar. Pelo fato de que os planetas e objetos do cinturão de Kuiper têm diferentes convenções de nomenclatura, e pelo fato de que objetos no disco disperso não tinham convenção de nomenclatura na época, os nomes para o novo primário e seu satélite permaneceram não oficiais.[13]

Finalmente, o International Astronomical Union declarou[14] que Plutão e o 2003 UB313 não eram planetas, mas pertenciam a uma nova categoria chamada planetas anão. Em seguida, no dia 6 de setembro de 2006, Mike Brown e sua equipe[15] reconheceram que o nome "Xena" era impróprio para o 2003 UB313 e sugeriram a IAU o nomeassem Eris, em homenagem à deusa grega da discórdia. Eles também sugeriram que a IAU nomeasse seu satélite Disnomia, para a deusa grega da ilegalidade e filha de Eris.[16] Quatro dias depois, a IAU oficialmente nomeou o primário Eris e nomeou seu satélite Disnomia.[17]

Características orbitais

A 67.7 UA do Sol, é o objeto mais distante já descoberto que tem o Sol como o seu primário. No afélio, está muito além do cinturão de Kuiper e no que é conhecido como o disco disperso do sistema solar. Pelo fato de Éris estar tão distante da Terra (atualmente perto do seu afélio e, portanto, três vezes mais distante que Plutão está - situação em 2008), ele tem um longo ano sideral de 557 anos Julianos. Seu ano sinódico é quase o mesmo que o ano da Terra.

Superfície e atmosfera

Próximo ao espectro infravermelho do planeta anão Eris, tomada com o telescópio Gemini 8 m.
Varreduras espectroscópicos de infravermelho de Éris revelam um espectro de reflectância de infravermelho notavelmente semelhante ao de Plutão, que é conhecido por ter uma camada de metano na sua superfície. A partir daí, a equipe de descoberta conclui que Éris tem sua superfície coberta com metano sólido congelado, com o rochas e água embaixo do gelo.

No entanto, Eris é o segundo órgão mais reflexivo em todo o sistema solar, refletindo cerca de 86% da luz solar incidente. Eris é também uniformemente branco em sua superfície, enquanto que Plutão é de um marrom mosqueado. Os descobridores acreditam que isso se deve inteiramente à "presente posição longínqua de Éris (perto do afélio) e apontam que a órbita de Éris é a órbita mais excêntrica de qualquer satélite do Sol, com exceção dos cometas.

Implicações para Outros Objetos Trans-netunianos

Brown et al. observaram[3] em 2005 que Éris, o primário de Disnomia, é um de três dos quatro objectos mais brilhantes do cinturão de Kuiper que possuem satélites. (Os outros dois são Plutão e 2003 EL61.) O quarto, 2005 FY9, não tem satélite que os telescópios baseados na Terra podem atualmente detectar. A maioria dos objetos do cinturão de Kuiper não tem satélites, e o fato de que três dos quatro mais brilhantes tem satélites sugere que as suas origens foram significativamente diferentes das de outros objetos do cinturão de Kuiper.

Problema para as teorias uniformitarianas

Brown afirma[6] que a órbita quase circular de Disnomia sobre Éris, na verdade, é consistente com a origem de Disnomia como o resultado de uma colisão entre Éris e outro objeto. Mas nenhum astrônomo jamais explicou como tal colisão deixaria um objeto em uma órbita quase circular sobre o seu primário.

Satélites

Éris tem um satélite conhecido, uma pequena lua chamada Disnomia. Na mitologia clássica, Disnomia é o nome dado á irmã de Éris, que é um símbolo da injustiça efetiva. [[Satélite::{{#ask:Primário::Éris|link=none|limit=250|sep=| ]][[Satélite::}}| ]] {{#ask: Primário::Éris |?Periápside#km=PeriPredefinição:Ápsides |?Apoápside#km=Apoápside |?Orbital eccentricity=Eccentricity |?Sidereal period#da=Sidereal month |?Inclination#° |?Lunar mass#M☾=Mass |?Sidereal day#h |format=table |mainlabel = Name |default = This body has no satellites. |intro = Table of satellites, in order from the innermost to the outermost: |sort=Semi-major axis |order=asc |}} {{#ask:Data do descobrimento::+Primário::Éris |?Data do descobrimento |?Descobridor |?Origem do nome |?Member of=Celestial class | sort=Date of discovery | order=ascending | format=timeline | timelinebands=DECADE,CENTURY | timelinesize=200px | timelineposition=end }}

Observação e exploração

O Telescópio Espacial Hubble e do Observatório Keck são os dois primeiros telescópios a observar o sistema Eridiano. Nenhum missão no espaço profundo está sendo planejada.

Referências

  1. 1,0 1,1 "Discovery Circumstances: Numbered Minor Planets." International Astronomical Union, Minor Planet Center, 1 de maio de 2007. Acessado em 15 de maio de 2008.
  2. 2,0 2,1 "Gazetteer of Planetary Nomenclature: Planetary Body Names and Discoverers." US Geological Survey, Jennifer Blue, ed. March 31, 2008. Accessed April 17, 2008.
  3. 3,0 3,1 Brown, M.E., Van Dam, M. A., Bouchez, A. H., Le Mignant, D., et al. "Satellites of the Largest Kuiper Belt Objects." Astrophys. J. Lett. 639(L43), October 3, 2005. <arXiv:astro-ph/0510029.> Accessed May 15, 2008.
  4. 4,0 4,1 4,2 4,3 4,4 4,5 4,6 4,7 4,8 Johnston, William Robert. "Entry for 136199 Eris and Dysnomia." Johnston Archive, August 21, 2007. Accessed May 15, 2008.
  5. 5,0 5,1 5,2 5,3 Calculated
  6. 6,0 6,1 Brown, Michael E., and Schaller, Emily L. "The Mass of Dwarf Planet Eris." Science, 316(5831):1585, June 15, 2007. <doi:10.1126/science.1139415> Accessed May 15, 2008.
  7. Reitan, Kari. "Astronomers Measure Mass of Largest Dwarf Planet." Space Telescope Science Institute, National Aeronautics and Space Administration, June 14, 2007. Accessed January 21, 2008.
  8. "Comment on the recent Hubble Space Telescope size measurement of 2003 UB313 by Brown et al." Max Planck Institut für Radioastronomie, April 13, 2006. Accessed May 15, 2008.
  9. O personagem é suposto ser uma princesa de uma tribo de guerreiros, ou Argive ou intimamente aliado com eles, nos dias da civilização micênica, e um contemporâneo e rival ocasional, de Hércules. Não existe garantia histórica para a existência de tal pessoa ou até para um poema clássico mencionar esse nome.
  10. Hamilton, Calvin J. "Entry for 'Eris'." Views of the Solar System, 2007. Acessado em 21 de janeiro de 2008.
  11. Ingham, Richard. "'Tenth planet' Xena bigger than Pluto." Agence France-Presse, quoted by Australian Broadcasting Corporation, February 2, 2006. Accessed May 15, 2008.
  12. Eris (2003 UB313) and Dysnomia. Acessado em 22 de janeiro de 2008.
  13. Tytell, David. "All Hail Eris and Dysnomia." Sky and Telescope, 14 de setembro de 2006. Acessado em 15 de maio de 2008.
  14. "IAU0602: the Final IAU Resolution on the Definition of 'Planet' Ready for Voting," International Astronomical Union, 2005. Acessado em 14 de janeiro de 2008.
  15. Brown, Mike. "The discovery of Eris, the largest known dwarf planet." California Institute of Technology. Acessado em 22 de janeiro de 2008.
  16. Disnomia,que significa "ilegalidade" é também uma brincadeira com o nome da atriz americana que interpretou Xena, Lucy Lawless.
  17. IAU Circular No. 8747, International Astronomical Union, 10 setembro de 2006. Acessado em 15 de maio de 2008.

Ligações externas