Pangeia

De CriaçãoWiki, a enciclopédia da ciência da criação.
Continental drift.jpg

A Pangeia (do Grego πᾶν, pan "todo" e Γαῖα, Gaia "Terra"; Latinizado como Gæa) é um termo cunhado em 1912 por Alfred Wegener, que é considerado o pai da moderna teoria da deriva continental. Ele propôs que a terra era feita de um único continente[1]chamado Pangeia, que significa "todas as terras"[2] Ele propôs que os continentes estavam separados um do outro por mares rasos continentais efetivamente tornando-se um supercontinente que era feito de duas massas de terra principais que eram a Laurásia no norte e Gondwana no sul.

Estes pedaços se afastaram criando os sete continentes que temos hoje. Alfred Wegener, um meteorologista alemão, sugeriu a primeira teoria abrangente da deriva continental em 1912. Ele acreditava que em torno do período Carbonífero (que alegadamente ocorreu há 300 milhões de anos atrás) a enorme Pangeia se dividiu. Esta teoria sugere que o continente era composto de rochas claras descansando em material crustal mais pesado. Wegener também insinuou que as posições das placas não são permanentes, mas se deslocam lentamente. Ele concluiu que se movem a uma velocidade de cerca de um metro a cada 100 anos.

Hoje, a maioria dos cientistas acredita que a Terra é dividida em um número placas móveis que tem cerca de 50 milhas de espessura. Eles acreditam que essas placas se movem alguns centímetros por ano.[1]

Ver também

Referências

  1. 1,0 1,1 Continental Drift and Plate-Tectonics Theory Information Please® Database, © 2007 Pearson Education, Inc.
  2. Plate Tectonics: The Rocky History of an Idea por: Anne Weil

Ligações externas