Universo

De CriaçãoWiki, a enciclopédia da ciência da criação.
Translation Latin Alphabet.png
Este artigo ou secção está a ser traduzido. Ajude e colabore com a tradução.
Hubble Ultra Deep Field

O universo é o sistema inteiro cósmico de matéria e energia do qual a Terra é uma parte. É toda a matéria e espaço existente considerado como um todo.

A palavra vem do Latim universus, que historicamente tem sido usada para significar o 'mundo inteiro'. Alguns argumentaram que a palavra significa "um corpo de palavras" e afirmam que é uma referência para o cosmos como sendo derivado da palavra de Deus.[1] No entanto, etimologia tradicional mostra o termo a ser derivados das raízes do Latim unus "um" e versus significando "virado". Por isso, tem vindo a ser utilizado como "virado em um" como em todo ou indivisível.[2] Lucrécio é dito ter usado pela primeira vez a contração no sentido "tudo em um só".[3]

Criacionismo Universal

O criacionismo universal é a doutrina ou crença de que o universo foi criado por Deus sem nenhuma entidade pré-existente. O ponto de vista está, assim, filosoficamente em oposição à todas as formas de evolucionismo ou panteísmo. O criacionismo universal é um princípio fundamental das principais religiões monoteístas.

Origem do universo

A única cosmogonia que menciona a origem absoluta do universo é encontrada na Bíblia e escritos com base nela. Todas as outras cosmogonias começam com o universo espaço-tempo-matéria existente na forma primitiva, em seguida, tentam especular como ele "evoluiu" ao seu estado atual. A Bíblia nos diz que Deus criou o universo (os céus e a terra) "no princípio" (Genesis 1:1 ). Ela também nos diz que o pré-existente Jesus Cristo, "a imagem do Deus invisível," foi quem criou e agora sustenta tudo (Colossenses 1:15-17 ).

O primeiro versículo do livro de Gênesis — "No princípio Deus criou os céus e a terra" — é único em todas as religiões, ciências, e filosofias. Só ele registra a criação especial do universo espaço-tempo. Espaço (parte do "os céus"), tempo ("no princípio"), e matéria ("a terra") compõem o continuum espaço-tempo-matéria que forma o universo. Professores de jornalismo em todo o mundo têm ensinado este versículo para seus alunos como um excelente exemplo de uma primeira frase de uma reportagem. Isso é porque ele responde às perguntas quem (Deus), o que (Deus criou), quando (no princípio), e onde (céus e terra) em somente 10 palavras.

Material pré-existente ou a existência pela palavra

A palavra "criou" (Hebreu bara) em si não impede o uso de material pré-existente quando Deus criou o universo, embora esta passagem não menciona nem implica qualquer coisa. Ainda Hebreus 11:3 parece descartar o material pré-existente quando diz "Pela fé, entendemos que os mundos, pela palavra de Deus, foram criados; de maneira que aquilo que se vê não foi feito do que é aparente.". O cientista e o estudioso da Bíblia Dr. Henry Morris disse este verso faz a crença na evolução teísta (a idéia que a evolução é o método de Deus para a criação) "um oxímoro." Somente a criação especial dos mundos, realizadas pelo comando de Deus "Faça-se", pode explicar as coisas que são vistas.

Estrutura do universo

Os principais itens do universo são galáxias, estrelas e agrupamentos estelares e nebulosas (nuvens de gás e poeira interestelar). Habitantes menores incluem o sistema solar e vários conjuntos de planetas, cometas, satélites, asteróides, e meteoróides. O universo também contém campos gravitacionais e várias formas de radiação.

Idade do Universo

A Bíblia explicitamente, data o universo como tendo a mesma idade que a Terra com somente pouco mais de 6000 anos de idade. Na verdade, de acordo com a Bíblia, todos os outros corpos celestes são um pouco mais jovens do que a Terra. No momento em que a Terra foi criada não havia outros planetas, estrelas, cometas, ou outros tais corpos no universo. Nenhum deles entrou em existência até o quarto dia da Semana da Criação (Ver: Genesis Capítulo 1). Há de fato muitas evidências para apoiar a afirmação de que o nosso sistema solar, as galáxias e até mesmo que a totalidade do universo é muito jovem.

Em contraste, os cientistas seculares datam o universo como sendo de aproximadamente 13,7 bilhões anos usando cosmologias padrão [4]. Se acredita que o universo tenha começado com uma inflação cósmica conhecida como o Big Bang, que é então seguida pela formação de estrelas, planetas, e galáxias. Baseado nesta cronologia se acredita que a terra se formou após o nosso Sol e é datada de por volta de 4.6 bilhões de anos de idade.

Evolução

As idades evolutivas para o universo têm variado descontroladamente ao longo dos anos. Os astrônomos evolucionistas adicionaram recentemente dois bilhões de anos para a idade especulativa da evolução, batendo a idade acima de 13,7 bilhões de anos para 15,8 bilhões de anos. [5]

Criação

Apesar das pequenas variações entre os estudiosos da Bíblia, quando exegese adequada da Bíblia é feita, é evidente a partir do relato da história da Terra registrada na Bíblia que a idade do universo é na casa dos milhares, não bilhões, de anos.

Implicações bíblicas No entanto, uma idade aproximada para a Terra e o Universo pode ser estimada a partir de datas e prazos dentro da Bíblia. Os principais indicadores são estes:

  1. Genesis 1 dá o tempo desde a criação do universo até a criação do homem.
  2. Genesis 5 fornece detalhes cronológicos, desde a criação do primeiro homem ao dilúvio mundial dos dias de Noé.
  3. Genesis 11 dá a cronologia a partir do Dilúvio até o tempo de Abraão.
  4. The historical books of the Old Testament supply chronological information from the time of Abraham to the captivity.
  5. The chronology of the captivity and restoration can be worked out from some of the prophetic books (principally Isaiah, Jeremiah, and Daniel) and the post-captivity historical books of Ezra and Nehemiah.
  6. The intertestament period chronology comes from secular records and the chronology implicit in the "seventy weeks" prophecy of Predefinição:Bible ref.

The most famous chronology based on these data is that of Irish Archbishop James Ussher. Ussher calculated the date of creation as 4004 BC, which puts the age of the universe and the earth at slightly more than 6000 years. As noted above, there are problems in arriving at an exact date for the universe’s creation. But Ussher did at least use the biblical data to arrive at his date, and many other calculations come close to his date.[6]

Other Biblical Dates Apart from the Bible, early written records of great civilizations extend back no further than around 3000 BC. Before that there are no written records.

Other dates calculated for the Creation are

Purpose

God claims to have created the heavenly bodies for several purposes.

To Tell Time

God created the heavenly bodies as a means to discern seasons, days and years (Predefinição:Bible ref). The stellar heavens represent (compared to the Earth) over 90 percent of human perception of reality. Secularists claim that the stars are so far away that their light has taken millions of years to arrive, meaning of course that the light we see does not represent here-and-now reality. If the light from the Sun requires some eight minutes to arrive, then even the Sun is not being represented by light in a here-and-now reality. In short, the entire cosmos is not representing reality, but a false reality. As God's affinity for leveraging Time for his glory is replete through Scripture, for secularists to reduce the cosmos to an "ongoing falsehood" is an insult to God's nature, his purposes through time and his intention for the heavens to bless mankind with a peaceful means to track time. Considering that all mankind, in all timeframes and all locations has been obsessed with measuring time for the duration of history, the concept of time is intrinsically important to all humans. As man is made in God's image, we may quickly presume that Time is very significant to God as well.

To Give Light

During the Creation Week, God describes his actions with the Sun and Moon, the two most proximate heavenly bodies for mankind to consider. These would provide light (Predefinição:Bible ref) during the day and during the night. God wanted mankind to understand God's own nature through light, as God is the Father of lights (Predefinição:Bible ref). We are also warned of the counterfeit nature of Satan's deceptions (an "angel of light")(Predefinição:Bible ref), that he will mimic the Father in every way in order to distract or deflect a human mind from fellowship with God.

To Glorify God

In every case where stars are mentioned in Scripture, they are used to elicit an appreciation for God's holiness and his provision. Humans glorify God upon the fulfillment of a promise, just as God promised Abraham that his descendants would be as numerous as the stars in heaven (Predefinição:Bible ref). Humans glorify God when they understand his might and his ability to provide. "The heavens declare the glory of God" (Predefinição:Bible ref). God uses the heavenly bodies to glorify his son Jesus Christ, who is likened to the Sun, a bridegroom (Predefinição:Bible ref).

To Precede the Second Coming of Jesus Christ

Jesus asserted that in the times immediately preceding his physical return to Earth, the "heavens will be shaken" (Predefinição:Bible ref) and men's "hearts would fail them for fear."

In both Matthew(Chap 24) and Luke(Chap 21) Christ provides a rich description of the events surrounding his Return. The primary heavenly disruptions visible to man are supernovae, the destruction of a star. The few of these on record have been depicted as bright enough to see during daylight hours. As secularists claim that supernovae are rare, theologians have sometimes described these words to mean supernovae that cover the sky from end-to-end. Primarily because this would be enough to cause "men's hearts to fail them for fear."

Referências

  1. Word Study: Universe by Tentmaker Ministries
  2. Online Etymology Dictionary
  3. Universe: Etymology, synonyms and definitions por Wikipedia
  4. Wright, Edward L. "Age of the Universe." 2 de julho de 2005. Acessado em 4 de julho de 2008.
  5. "2 billion years added to age of universe." WorldNetDaily, 5 de agosto de 2006. Acessado em 08 de março de 2008.
  6. The forgotten archbishop by Larry Pierce, Creation 20(2):42–43, March 1998.