Credo de Nicéia

De CriaçãoWiki, a enciclopédia da ciência da criação.

O Credo de Nicéia ou Credo Niceno (Latim: Symbolum Nicænum; Grego: Σύμβολον τῆς Πίστεως, Symbolon tēs Nisteos) é uma declaração de fé ecumênica cristã que foi formulada no Concílio de Nicéia em 325 dC e aceita pelas igrejas Católica Romana, Ortodoxa Síria (Jacobita), Ortodoxa Oriental, Oriental Católica, Oriental Ortodoxa, Assíria, Anglicana, Luterano, Presbiteriana, e muitas outras igrejas Protestantes.

História

O Concílio de Nicéia

O Credo de Nicéia teve lugar no Primeiro Concílio Ecumênico de Nicéia, na Ásia Menor, no ano de 325.[1] Para ele vieram cerca de 300 bispos. A maioria deles da parte oriental do Império Romano, falante de língua grega. A questão mais difícil que o Concílio teve de enfrentar foi a controvérsia ariana.[2] Ário, um presbítero da Líbia em Alexandria, havia declarado que, embora o Filho fosse divino, ele não era mais do que uma criatura, não importa o quão alta fosse esta criatura, e, portanto, não co-essencial com o Pai, e "havia um tempo quando ele não era". Isto fazia de Jesus menor que o Pai.

Havia um pequeno número de arianos convictos, liderados por Eusébio de Nicomédia.[1] Em oposição direta ao partido ariano, havia um pequeno grupo de bispos liderados por Alexandre de Alexandria.[2] Entre seus seguidores havia um jovem, chamado Atanásio de Alexandria mais tarde conhecido como o campeão da ortodoxia de Nicéia. O ensino de Ário provocou uma grave crise. No início, a grande maioria dos bispos não pertencia a nenhum destes grupos. Mas depois da explicação por Eusébio de Nicomédia o humor da maioria mudou e isso despertou violenta oposição.[2]

O Credo Niceno afirma explicitamente a divindade co-essencial do Filho, aplicando-se-lhe o termo "consubstancial".

O Credo

Description Nicene Creed in cyrillic writing Date 1879 Source Book of hours. Moscow, 1879

Texto Grego

Πιστεύομεν εἰς ἕνα Θεόν,
Πατέρα, Παντοκράτορα,
ποιητὴν οὐρανοῦ καὶ γῆς,
ὁρατῶν τε πάντων καὶ ἀοράτων.
Καὶ εἰς ἕνα Κύριον Ἰησοῦν Χριστόν,
τὸν Υἱὸν τοῦ Θεοῦ τὸν μονογενῆ,
τὸν ἐκ τοῦ Πατρὸς γεννηθέντα πρὸ πάντων τῶν αἰώνων·
φῶς ἐκ φωτός, Θεὸν ἀληθινὸν ἐκ Θεοῦ ἀληθινοῦ,
γεννηθέντα οὐ ποιηθέντα, ὁμοούσιον τῷ Πατρί,
δι' οὗ τὰ πάντα ἐγένετο.
Τoν δι' ἡμᾶς τοὺς ἀνθρώπους
καὶ διὰ τὴν ἡμετέραν σωτηρίαν
κατελθόντα ἐκ τῶν οὐρανῶν
καὶ σαρκωθέντα ἐκ Πνεύματος Ἁγίου
καὶ Μαρίας τῆς Παρθένου καὶ ἐνανθρωπήσαντα.
Σταυρωθέντα τε ὑπὲρ ἡμῶν ἐπὶ Ποντίου Πιλάτου,
καὶ παθόντα καὶ ταφέντα.
Καὶ ἀναστάντα τῇ τρίτῃ ἡμέρα κατὰ τὰς Γραφάς.
Καὶ ἀνελθόντα εἰς τοὺς οὐρανοὺς καὶ καθεζόμενον ἐκ δεξιῶν τοῦ Πατρός.
Καὶ πάλιν ἐρχόμενον μετὰ δόξης κρῖναι ζῶντας καὶ νεκρούς,
οὗ τῆς βασιλείας οὐκ ἔσται τέλος.
Καὶ εἰς τὸ Πνεῦμα τὸ Ἅγιον, τὸ κύριον, τὸ ζωοποιόν,
τὸ ἐκ τοῦ Πατρὸς ἐκπορευόμενον,
τὸ σὺν Πατρὶ καὶ Υἱῷ συμπροσκυνούμενον καὶ συνδοξαζόμενον,
τὸ λαλῆσαν διὰ τῶν προφητῶν.
Εἰς μίαν, Ἁγίαν, Καθολικὴν καὶ Ἀποστολικὴν Ἐκκλησίαν.
Ὁμολογῶ ἓν βάπτισμα εἰς ἄφεσιν ἁμαρτιῶν.
Προσδοκῶ ἀνάστασιν νεκρῶν.
Καὶ ζωὴν τοῦ μέλλοντος αἰῶνος.
Ἀμήν.

Texto Latino

Credo in unum Deum,
Patrem omnipoténtem,
Factórem cæli et terræ,
Visibílium ómnium et invisibílium.
Et in unum Dóminum Iesum Christum,
Fílium Dei Unigénitum,
Et ex Patre natum ante ómnia sæcula.
Deum de Deo, lumen de lúmine, Deum verum de Deo vero,
Génitum, non factum, consubstantiálem Patri:
Per quem ómnia facta sunt.
Qui propter nos hómines et propter nostram salútem
Descéndit de cælis.
Et incarnátus est de Spíritu Sancto
Ex María Vírgine, et homo factus est.
Crucifíxus étiam pro nobis sub Póntio Piláto;
Passus, et sepúltus est,
Et resurréxit tértia die, secúndum Scriptúras,
Et ascéndit in cælum, sedet ad déxteram Patris.
Et íterum ventúrus est cum glória,
Iudicáre vivos et mórtuos,
Cuius regni non erit finis.
Et in Spíritum Sanctum, Dóminum et vivificántem:
Qui ex Patre Filióque procédit.
Qui cum Patre et Fílio simul adorátur et conglorificátur:
Qui locútus est per prophétas.
Et unam, sanctam, cathólicam et apostólicam Ecclésiam.
Confíteor unum baptísma in remissiónem peccatorum.
Et expecto resurrectionem mortuorum,
Et vitam ventúri sæculi.
Amen.

Tradução Portuguesa

Creio em um só Deus,
Pai todo-poderoso,
Criador do céu e da terra,
de todas as coisas visíveis e invisíveis.
Creio em um só Senhor, Jesus Cristo,
Filho Unigênito de Deus,
gerado do Pai antes de todos os séculos.
Deus de Deus, Luz da luz, verdadeiro Deus de verdadeiro Deus.
gerado, não feito: da mesma substância do Pai;
Por Ele todas as coisas foram feitas.
E, por nós, homens, e para a nossa salvação,
desceu dos céus:
Se encarnou pelo Espírito Santo,
no seio da Virgem Maria: e se fez homem.
Também por nós foi crucificado sob Pôncio Pilatos,
padeceu e foi sepultado.
Ressuscitou dos mortos ao terceiro dia, conforme as Escrituras.
E subiu aos céus, onde está assentado à direita de Deus Pai.
Donde há de vir, em glória, para julgar os vivos e os mortos:
e o Seu reino não terá fim.
Creio no Espírito Santo, Senhor e fonte de vida:
que procede do Pai e do Filho (Filioque),
e com o Pai e o Filho é adorado e glorificado:
Ele falou pelos profetas.
Creio na Igreja Una, Santa, Católica e Apostólica.
Confesso um só batismo para remissão dos pecados.
Espero a ressurreição dos mortos,
E a vida do mundo vindouro.
Amém.

Ver também

Referências

  1. 1,0 1,1 Latourette, Kenneth Scott. In: Prince Press. A History of Christianity: Beginnings to 1500. Peabody, MA: [s.n.], 2007. p. 153-157. vol. 1. ISBN 978-1-56563-328-5
  2. 2,0 2,1 2,2 González, Justo L.. The Story of Christianity: The Early Church to the Dawn of the reformation. 2ª ed. New York: HarperOne/HarperCollins Publishers, 2010. p. 186-189. 2 vol. vol. 1. ISBN 978-0-06-185588-7

Referências relacionadas

  • Nicene Creed from Christian Apologetics Research Ministry (CARM)

Ligações externas